sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

CÉREBROS DE ABELHA INSPIRAM INTELIGÊNCIA DE PEQUENOS DRONES

Sons de abelhas zumbindo esvoaçando de flor a flor podem eventualmente transformar-se no zumbido de abelhas robóticas preguiçosas a fazer a mesma coisa. O "cérebro verde" visa preparar o caminho para os primeiros robôs capazes de voar, sentir e se comportar como abelhas reais.

As abelhas robóticas podem entrar em espaços apertados para procurar sobreviventes de terremotos e outros desastres, perscrutar edifícios inimigos antes dos soldados humanos, ou mesmo garantir a polinização de culturas e flores silvestres. Tais robôs canalizam os recursos intelectuais do cérebro de uma abelha, que tem 100.000 vezes menos células cerebrais comparativamente ao ser humano - pequeno o suficiente para os investigadores conseguirem construir uma inteligência artificial de abelhas, mas também capaz de tomar decisões sofisticadas.

"Este pequeno tamanho significa que é realmente viável para começar a pensar numa simulação do cérebro inteiro sem espirrar para fora um supercomputador do tamanho de um armazém", disse James Marshall, um cientista de computação da Universidade de Sheffield, no Reino Unido. Marshall e seus colegas do Reino Unido receberam 1,6 milhões de dólares (1.000.000 €) para começar a criar simulações do cérebro de uma abelha ao longo dos próximos três anos.

As abelhas têm apenas 1 milhão de células cerebrais, chamadas neurónios em comparação com 100 milhões dos ratos, ou 100 biliões dos seres humanos. Mas especialistas em abelhas e neurocientistas descobriram que os cérebros de abelhas pequenas ainda têm a capacidade de muitos cérebros maiores, disse Marshall.

"As abelhas podem saber que um odor particular, detectar na entrada de um labirinto prevê o odor a seguir dentro do labirinto a fim de encontrar comida", disse Marshall. "Então, sem nenhuma formação contínua, as abelhas podem aplicar a mesma regra, mas desta vez seguindo padrões visuais que eles nunca encontraram antes nesse contexto."

Um robô voador pode navegar em novos ambientes e "aprender" por conta própria, facto que representaria um grande salto para a inteligência artificial e para os robôs. A equipa espera simular áreas do cérebro da abelha que lidam com a visão, o cheiro e o comportamento durante o seu projecto de três anos, mesmo que simular um cérebro de abelha inteira possa ainda levar décadas.

Felizmente, os pesquisadores não têm de esperar por um supercomputador livre para começar. A NVIDIA Corporation doou a unidade de processamento gráfico (GPU) para criar uma poderosa rede de computadores desktop padrão. Tal GPUs têm tipicamente gerado os gráficos 3D para PCs domésticos e consolas de jogos de vídeo, mas um número crescente de cientistas começaram a aproveitar o seu poder de computação para a pesquisa.

Um acelerador de GPU único poderia substituir o equivalente a 20 computadores tradicionais, disse Thomas Nowotny, um pesquisador sénior da Universidade de Sussex, no Reino Unido e um colaborador no projeto. Ele acrescentou que os aceleradores GPU poderiam ajudar o software do cérebro da abelha a funcionar de 10 a 100 vezes mais rapidamente do que um núcleo único de computador tradicional.

"Como uma estimativa aproximada, usando os computadores tradicionais, pensamos que seria necessário cerca de 100 núcleos para simular o tipo de modelo que temos em mente em tempo real", disse Nowotny.

www.ciencia-online.net

Nenhum comentário:

Postar um comentário