domingo, 7 de maio de 2017

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS 07 05 2017

sábado, 6 de maio de 2017

ÁGUA EM POEIRA CÓSMICA SUGERE QUE VIDA É UNIVERSAL

NASA

Jogar um punhado de poeira de estrelas sobre um planeta pode ter um efeito tão mágico quanto parece. O efeito, por exemplo, de semear a vida no planeta.

Isso porque os grãos de poeira que flutuam através do nosso sistema solar contêm minúsculas bolsas de água, formadas quando os grãos de poeira são atingidos por rajadas de vento solar, que é carregado eletricamente.

A reação química que faz isso acontecer já tinha sido replicada em laboratório, mas esta é a primeira vez que foi encontrada água presa dentro de poeira estelar real.

Combinados com achados anteriores de compostos orgânicos em asteroides e em poeira interplanetária, os resultados sugerem estes grãos podem conter os ingredientes básicos necessários para o surgimento da vida.

Como grãos de poeira semelhantes devem existir em todos os sistemas planetários pelo universo, este é um bom indício da existência de vida em todo o cosmos.

De fato, os sistemas planetários estão cheios de poeira, resultante de muitos processos, incluindo o esfacelamento de cometas.

"As implicações são potencialmente enormes," disse Hope Ishii, da Universidade do Havaí, participante do estudo. "É uma possibilidade particularmente emocionante que este afluxo de poeira sobre as superfícies dos corpos dos sistemas planetários tenha funcionado como uma chuva contínua de pequenos reatores contendo tanto a água quanto os compostos orgânicos necessários para a eventual origem da vida."

A pesquisadora se baseia também em outros estudos de laboratório, que mostram que minúsculas gotas de água são reatores muito mais propícios às reações químicas do que a água em grandes quantidades, em lagos e rios, por exemplo.

Como água surge na poeira interestelar

O grupo de pesquisadores encontrou a água inspecionando a camada externa de partículas de poeira interplanetária coletadas na estratosfera da Terra.

Microscópios de última geração permitiram analisar grãos de poeira de 5 a 25 micrômetros de diâmetro, o que revelou inclusões fluidas, minúsculas bolsas de água presa logo abaixo da superfície da poeira interestelar.

O processo pelo qual a água pode se formar no interior desses grânulos minúsculos, por sua vez, parece ser bem compreendido.

A poeira é composta principalmente de silicatos, que contêm oxigênio. Conforme viaja através do espaço, ela recebe o impacto do vento solar, uma corrente de partículas carregadas eletricamente - incluindo íons de hidrogênio de alta energia - que é ejetada da atmosfera do Sol.

Quando os dois se chocam, hidrogênio e oxigênio combinam-se para formar água.

Como a poeira interplanetária deve "chover" sobre a Terra desde os seus primórdios, é possível que o material tenha trazido água para o nosso planeta, embora seja difícil conceber como esse processo poderia explicar os milhões de quilômetros cúbicos de água que cobrem a Terra hoje.

"De forma nenhuma sugerimos que isso tenha sido suficiente para formar oceanos," reconhece Ishii, bem mais realista do que colegas seus, que já falaram em "oceanos de água" em disco planetário.

De qualquer forma, pode ser uma bela irrigação de vida em um planeta com precondições propícias para a vida.

New Scientist

SISTEMA PURIFICA 2000 LITROS DE ÁGUA POR DIA COM ENERGIA SOLAR E AINDA GERA ELETRICIDADE


Moradores de continentes como África e Ásia têm dificuldades de encontrar água potável para consumo. Várias iniciativas procuram a melhor forma de promover qualidade de vida para esses países com menor custo benefício. Lembra do dispositivo de US$ 16 que purifica água potável por um ano para uma família inteira?

A novidade agora é da startup Tenkiv’s, que recentemente arrecadou US$ 50 mil, via financiamento coletivo, para aprimorar e produzir em larga escala um sistema capaz de purificar dois mil litros de água por dia com energia solar (e ainda produzir, armazenar  e converter energia para outros usos). 

Localizada na cidade de Sacramento, na Califórnia, o principal objetivo da companhia é democratizar o acesso à água potável e energia renovável.

O grande diferencial da invenção é que, em vez de focar na tecnologia fotovoltaica, ela usa o calor do sol para fazer tudo isso – é a chamada tecnologia térmica solar. De acordo com a empresa, o método custa aproximadamente 1/13 do que um painel solar e 1/5 do que qualquer fonte de combustível fóssil, o que torna a tecnologia viável e escalável. 

“Tenkiv Solar Collectors pode distribuir de forma simples e eficiente energia térmica colhida do sol. Seja para esquentar o banho ou fazer chá, não importa. A maior parte das invenções energéticas provém de sistemas complexos e ineficientes que requerem energia para transformar a energia”, explica o site. Será essa a solução para suprir a necessidade das quatro bilhões de pessoas que sofrem com a falta de água no mundo? Assista ao vídeo abaixo para conhecer melhor a tecnologia!

thegreenestpost.bol.uol.com.br/sistema-purifica-2-mil-litros-de-agua-por-dia-com-ene..

DESTILADOR MOVIDO A ENERGIA SOLAR TRANSFORMA ÁGUA POLUIDA OU SALGADA EM POTÁVEL


A startup SunDWater criou destilador, movido a energia solar, que transforma água poluída ou salgada em água potável. O conceito foi desenvolvido por Shimon Bem-Dor durante a seca que atingiu Israel em 2009. Hoje o protótipo está instalado próximo ao Mar Morto e é capaz de purificar 400 litros de água por dia.

O baixo custo de sua manutenção é crucial para viabilizar a produção em larga escala. Segundo o CEO da empresa, Shimmy Zimels, “cerca de 97% da água do mundo é salgada ou poluída”. Por isso, aproximadamente um bilhão de pessoas não têm acesso fácil ao recurso, que deveria ser direito básico garantido.

A água é puxada para dentro do dispositivo, que tem 43 metros quadrados e concentra os raios de sol para acelerar a evaporação. O vapor da água é  direcionado para um cilindro que a condensa e transforma em água fresca, como sua composição natural. A tecnologia é biomimética pura: o processo é o mesmo que acontece na natureza, a partir da chuva. “Nós apenas usamos a natureza para melhorar ainda mais seu processo”, explica Zimels.

 

SunDwaternew
The Greenest Post;

AQUECIMENTO GLOBAL A FARSA

Luiz Carlos Baldicero Molion é bacharel em física pela USP e doutor em meteorologia — e Proteção Ambiental, como campo secundário — pela Universidade de Wisconsin, Estados Unidos. Concluiu seu pós-doutorado no Instituto de Hidrologia, em Wallingford, Inglaterra, em 1982, na área de Hidrologia de Florestas. É associado do Wissenschaftskolleg zu Berlin (Instituto de Estudos Avançados de Berlim), Alemanha, onde trabalhou como pesquisador visitante de 1989 a 1990.

 Molion tem mais de 30 artigos publicados em revistas e livros estrangeiros e mais de 80 artigos em revistas nacionais e congressos, em particular sobre impactos do desmatamento da Amazônia no clima; climatologia e hidrologia da Amazônia; causas e previsibilidade das secas do Nordeste; mudanças climáticas globais e regionais; camada de ozônio e fontes de energias renováveis. Foi cientista-chefe nacional de dois experimentos com a NASA sobre a Amazônia. Aposentou-se do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCT), onde foi diretor de Ciências Espaciais e Atmosféricas, como Pesquisador Titular III. Entre 1990 e 1992, foi presidente da Fundação para Estudos Avançados no Trópico Úmido (UNITROP), Governo do Estado do Amazonas, em Manaus, onde desenvolveu pesquisas sobre desenvolvimento sustentado, em particular o biodiesel, combustível renovável feito de óleos de palmáceas nativas.

Atualmente, encontra-se na Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, como professor associado e diretor de seu Instituto de Ciências Atmosféricas (ICAT). Também desenvolve pesquisas nas áreas de dinâmica de clima, desenvolvimento regional, energias renováveis e dessalinização de água. É membro do Grupo Gestor da Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (MG/CCl/OMM), como representante da América do Sul. Entre suas áreas de conhecimento e interesse, destacam-se a variabilidade e mudanças climáticas, particularmente os climas da Amazônia e Nordeste, os impactos de mudanças climáticas no desenvolvimento e proteção ambiental. No que diz respeito a recursos hídricos: água no sistema solo-planta-atmosfera, evaporação e evapotranspiração, mudanças climáticas e água. Tratando-se de desenvolvimento sustentado e energias renováveis (eólica, solar e aproveitamento de resíduos vegetais): óleos vegetais e biodiesel como combustíveis renováveis, métodos e equipamentos para tratamento e dessalinização de águas salobras, do mar e servidas.

Saiba o que o Dr. Luiz Carlos diz sobre o aquecimento global no seminário Fenômenos Climatológicos e os Grandes Centros Urbanos em Alagoas.

Evolucionistas Quânticos no Facebook
https://www.facebook.com/evolucionist...

Evolucionistas Quânticos

DESCOBERTO NOVO ESTADO QUÂNTICO DA ÁGUA

 
Água e vida sempre combinaram, desde as mais antigas mitologias até as mais recentes descobertas científicas.

E essas qualidades capazes de sustentar a vida parecem estar fundamentadas em um conjunto de propriedades que tornam a água uma substância única.

São nada menos do que 66 "anomalias" conhecidas, propriedades únicas da água, não vistas em nenhum outro líquido.

Por exemplo, o fato de que a água em estado sólido é menos densa do que em estado líquido e que sua densidade máxima ocorre aos 4 °C significa que os lagos congelam de cima para baixo, algo que foi vital para sustentação da vida durante as eras do gelo na Terra.

Agora, George Reiter e seus colegas da Universidade de Houston, nos Estados Unidos, afirmam que essas qualidades estranhas, mas cruciais para a vida, podem ser explicadas em certa medida pela mecânica quântica.

O grupo concentrou sua atenção em uma das esquisitices da água - a sua ligação de hidrogênio. A ligação de hidrogênio é a ligação entre as moléculas de água, que conectam um átomo de oxigênio de uma molécula ao átomo de hidrogênio de outra molécula.

A teoria mais aceita é a de que a ligação de hidrogênio da água seja um fenômeno eletrostático, ou seja, a água consistiria de moléculas individuais que se ligam por meio de cargas positivas (no hidrogênio) e negativas (no oxigênio).

Este modelo explica algumas características da água, como a sua estrutura.

O que Reiter e seus colegas descobriram é que o modelo eletrostático não consegue prever as energias dos prótons individuais dentro das moléculas de água.

Eles fizeram medições extremamente sensíveis dos prótons em amostras muito pequenas de água - acondicionadas dentro de nanotubos de carbono de 1,6 nanômetro de diâmetro - e descobriram que esses prótons se comportam de forma muito diferente do que o fazem em amostras muito maiores.

A distribuição do momento dos prótons é fortemente dependente da temperatura, apresentando uma energia cinética 50% maior do que o previsto pelo modelo eletrostático em temperaturas baixas, e 20% maior a temperatura ambiente.

O modelo eletrostático dá previsões razoavelmente precisas apenas para a água em grande volume a temperatura ambiente.

Segundo os cientistas, isto é um indicativo de que os prótons existem em um estado quântico nunca antes observado - um estado que não é descrito pelo modelo eletrostático, com as ligações de hidrogênio formando o que é conhecido como "rede eletrônica conectada".

Segundo Reiter, esse novo estado quântico pode ser importante para a vida porque o comprimento dos nanotubos usados para confinar a água nos experimentos - cerca de 2 nanômetros - é mais ou menos semelhante às distâncias entre as estruturas no interior das células biológicas.

"Eu acho que a mecânica quântica dos prótons na água sempre exerceu um papel no desenvolvimento da vida celular, mas nós nunca havíamos notado isso antes," disse ele.

A descoberta também pode ter impactos tecnológicos, principalmente nas células a combustível. Nessas células, os fluidos têm de trafegar através de membranas ultrafinas, com poros nas dimensões estudadas neste experimento.

Um dos principais modelos de células a combustível em desenvolvimento é conhecida como PEM (Proton Exchange Membrane). Ou seja, a diferença de energia apresentada pelos prótons quando altamente confinados pode fazer a diferença no desempenho dessas células.

Esquisitices" da água começam a ser compreendidas

www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?...novo-estado-quantico...agua

ARTISTA USA ONDAS CEREBRAIS PARA MANIPULAR A ÁGUA


Que a mente tem poderes incríveis já todos sabíamos, a artista conceitual Lisa Park criou uma obra em que o movimento da água é manipulado a partir das suas ondas cerebrais. Eunoia, o grego de “belo pensamento”, é o nome desta incrível performance.

Para conseguir este resultado, a artista utiliza o dispositivo NeuroSky EEG, que ajuda a transformar a atividade do cérebro em fluxos de dados que podem ser manipulados para fins de pesquisa – neste caso, Park preferiu criar uma obra de arte, foram colocadas cinco caixas de som em baixo de tigelas com água, as quais vibram através da atividade cerebral da artista.

Como este sistema não funciona como ciência exata, a artista focou seus pensamentos durante um mês em pessoas específicas, com quem ela possui fortes relações emocionais. Park então relacionou cada uma das cinco caixas de som com uma certa emoção: tristeza, raiva, ódio, desejo e felicidade.

www.radiovivazen.com.br/blog/.../artista-usa-ondas-cerebrais-para-manipular-agua-2