sexta-feira, 22 de junho de 2012

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS NESTE BLOG

BUDISMO DALAI LAMA O PLANETA PRECISA ...

2012 HUMANIDADE QUER RECOLOCAR O HOMEM NO MEIO AMBIENTE
CIDADANIA UBUNTU
JUDAISMO AHMADINEJAD CUMPRIMENTA DELEGADO ISRAEL RIO+20
NATUREZA ENTENDENDO SUA SABEDORIA
MEIO AMBIENTE PLATAFORMA PESQUISA SUSTENTABILIDADE
PERSONALIDADE SEVERN SUZUKI ECO RIO + 20
PERSONALIDADE SEVERN SUZUKI 1992/2012
PERSONALIDADE BRITTANY TRILFORD ECO RIO+20
PERSONALIDADE EIKE BATISTA GRUPO EBX GESTÃO INTEGRADA
PLANETA TERRA AÇÃO ANTRÓPICA NOS SONS VITAIS
VIDEO EARTH PLANET

DALAI LAMA O PLANETA PRECISA DE PACIFICADORES

"O planeta não precisa de mais 'pessoas de sucesso'. O planeta precisa desesperadamente de mais pacificadores, curadores, restauradores, contadores de histórias e amantes de todo tipo. Precisa de pessoas que vivam bem nos seus lugares. Precisa de pessoas com coragem moral dispostas a aderir à luta para tornar o mundo habitável e humano, e essas qualidades têm pouco a ver com o sucesso tal como a nossa cultura o tem definido."

Fabiana Alves está cadastrada em nossa página no Facebook

UBUNTU 'SOU O QUE SOU PELO QUE NÓS SOMOS"

Ubuntu é uma antiga palavra africana que significa algo como "Humanidade para os outros" ou ainda "Sou o que sou pelo que nós somos".

Um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Sobrava muito tempo, mas ele não queria catequizar os membros da tribo; então, propôs uma brincadeira pras crianças, que achou ser inofensiva.

Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!", elas deveriam sair correndo até o cesto, e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro.

As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse "Já!", instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.

O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces.

Elas simplesmente responderam: "Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?"

Ele ficou desconcertado! Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo, e ainda não havia compreendido, de verdade,a essência daquele povo. Ou jamais teria proposto uma competição, certo?

Ubuntu significa: "Sou quem sou, porque somos todos nós!"

http://www.consciencial.org/

AHMADINEJAD CUMPRIMENTA DELEGADOS DE ISRAEL NA RIO+20

Um incidente inesperado pegou de surpresa a delegação israelense na Rio+20. O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad (acima, à esquerda), cumprimentou alguns dos delegados de Israel durante um dos painéis da conferência, segundo contou à rádio israelense o parlamentar Carmel Shama Hacohen (acima, à direita), que está no Rio acompanhando o ministro do meio-ambiente, Guilad Erdan.

O encontro sem precedentes aconteceu porque, por causa da ordem alfabética, as delegações de Israel e do Irã foram acomodadas muito próximas uma da outra, com apenas quatro cadeiras – ocupadas por delegados da Irlanda – entre elas. Segundo Carmel Shama Hacohen, a delegação do Irã decidiu se retirar do auditório e passou diante dos israelenses, sem escolher um caminho alternativo.

“Para a surpresa da chancelaria isralense, quando Ahmadinejad e seus homens se levantaram, eles quebraram o costume e passaram diretamente por nós”, escreve o parlamentar israelense no Facebook. “O megalomaníaco iraniano se superou e, apesar do cartaz que dizia claramente ‘ISRAEL’ em cima da nossa mesa e dos broches com a bandeira israelense nas nossas lapelas, ele cumprimentou a todos sorrindo e acenando com a cabeça”.

Carmel Shama Hacohen ficou visivelmente impressionado com o incidente. “A verdade é que, de perto, ele parece mais um vendedor de sementes do que o líder de um programa nuclear”, ironizou o parlamentar israelense, num jogo de palavras entre a palavra hebraica “garin” (semente) e “garini” (nuclear)

G1

quinta-feira, 21 de junho de 2012

SEVERN CULLIS SUZUKI 1992/2012

SEVERN CULLIS SUZUKI ECO RIO + 20


A canadense Severn Cullis-Suzuki (à esquerda) e a neozelandesa Brittany Trilford (à direita), se encontram com Christiana Figueres, secretária-executiva da convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática (Foto: Daniel Buarque/G1).

A canadense Severn Cullis-Suzuki, conhecida como "a menina que silenciou o mundo por cinco minutos" por seu discurso feito para delegados e chefes de Estado na Rio 92, encontrou-se nesta terça-feira (19) com a neozelandesa Brittany Trilford, de 17 anos, que falará aos líderes presentes à Rio+20 no início do Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Social, nesta quarta-feira (20). Juntas, elas discursaram a ativistas e pediram voz para as gerações que vão viver no mundo pelas próximas décadas. "Eu peço aos líderes que escutem. Nós, jovens, somos poderosos, podemos falar a verdade ao poder", disse Brittany. "Há muito discurso e pouca ação", disse, apelando que os chefes de Estado e Governo partam para ações mais profundas em defesa da sustentabilidade.

Severn, que agora tem 32 anos, se disse preocupada em relação ao futuro, mas alegou ter esperança para o futuro. "O discurso no Rio foi a coisa mais poderosa que fiz na vida. O mundo está faminto por esta mensagem. Sou otimista. Acredito que vamos mudar o mundo para melhor.

Aos 12 anos de idade, em 1992, ela conseguiu emocionar os presentes no Riocentro com frases marcantes como "sou apenas uma criança e não tenho as soluções, mas quero que saibam que vocês também não têm".

Já crescida, com 32 anos, mãe de dois filhos e pós-graduada em etnobotânica, Severn retornou ao Brasil para a Rio+20, e quer mais uma vez a atenção dos chefes de Estado para alertar que desde 1992, quase nada mudou. Ela tem feito discursos para tentar alertar que o mundo não conseguiu superar seus problemas ecológicos existentes há duas décadas, já que os governantes "pensam apenas na incerteza econômica, não na ambiental".


Discurso

Severn conta que seu discurso na Rio 92 ocorreu após convite das Nações Unidas, que tentava reajustar o cronograma das plenárias de chefes de Estado. Ela, que estava no Brasil junto com outros adolescentes da ONG Eco (Environmental Children's Organization, fundada por Severn) foi escolhida para falar aos delegados e utilizou o período de cinco minutos para abordar questões importantes como o buraco na camada de ozônio e o impacto da mudança climática em seu país, o Canadá.

"Vi que muitas pessoas choraram após o discurso. Desde então, milhões de pessoas viram o vídeo [que está no YouTube e já teve mais de 23 milhões de acessos]. Ainda recebo correspondências sobre isso, mas 20 anos depois, o que mudou? Ainda procuro provas de que minhas palavras fizeram diferença".

Severn afirma que nas duas décadas que se passaram, a comunicação e a velocidade da informação melhoraram devido à internet. Mas, na perspectiva ecológica, o mundo continua "em sérios apuros". Para ela, "nosso estilo de vida está com prazo estourado e não seremos capazes de sustentá-lo, pois nossos ecossistemas estão no limite".

Ela comenta que a mudança climática é um crime "intergeracional", ou seja, que passará por várias gerações, e se diz envergonhada com a atitude do governo do Canadá ao se retirar do Protocolo de Kyoto, em dezembro de 2011, por não conseguir cumprir as metas de redução de gases de efeito estufa.

"Estou absolutamente envergonhada. Em 20 anos, meu país deixou de ser um campeão da sustentabilidade para se tornar um retardatário ambiental".

Brasil e Rio+20
Sobre a discussão ambiental no Brasil, Severn diz que empreendimentos como a usina hidrelétrica de Belo Monte, em construção no Rio Xingu, no Pará, só demonstram que o mundo não valoriza os serviços ambientais da Amazônia. Ela se diz desapontada com o andamento da construção e com mudanças recentes nalegislação ambiental (Código Florestal) que "irão comprometer a floresta devido ao aumento da exploração madeireira".

"É o pulmão do mundo e devemos pagar para que a Amazônia permaneça intacta".

Sobre a Rio+20, a canadense afirma que a conferência só conseguirá êxito se os governos deixarem de pensar nas crises econômicas e passarem a planejar uma forma de socorrer o meio ambiente nos mesmos métodos aplicados para socorrer bancos, com a injeção de dinheiro. "Devemos reduzir nossa pegada ecológica e começar a usar a nossa voz."

Questionada sobre qual será o cenário do mundo daqui 20 anos, na Rio+40, Severn foi enfática: "verei isto a partir da próxima semana".

Em entrevista ao G1, no início do mês, ela afirmou que a população ainda não percebeu o significado da crise ecológica e que "estamos vivendo um novo evento de extinção em massa no planeta".

Sobre ao Brasil, Severn diz que o país tem, na Rio+20, a chance de assumir a liderança ambiental, mesmo, segundo ela, o governo tendo comprometido a Amazônia ao mudar o Código Florestal e autorizar as obras da hidrelétrica de Belo Monte, que considera uma "tragédia para o mundo".

G1

quarta-feira, 20 de junho de 2012

VIDEO EARTH PLANET

AÇÃO ANTRÓPICA NOS SONS VITAIS DO PLANETA TERRA


A perda da voz original do Planeta e a grande importância das paisagens sonoras naturais no equilíbrio vital.

Cornelis van Dalen, num artigo intitulado “The Dawn Chorus and Life Forces” (disponível na Internet), ao fazer referência ao livro “A Pilgrimage with the Animals” (Lascelles Dr.), sugere que o coro dos pássaros, no início das manhãs, desperta a terra colocando em movimento uma série de vibrações, que reagem sobre outras formas de vida.

Ou seja, quando um organismo vivo atinge certo estado de ressonância, ela se propaga para os demais seres vivos.

O autor explora esta idéia observando que a vida na terra seria lenta e até ineficaz, caso esta primeira “explosão” de energia vibracional iniciada com o canto matinal dos pássaros não ocorresse, o que inviabilizaria, então, o efeito em cadeia (efeito de ressonância).

Mas, o que vem sucedendo ultimamente com a diversificada e preciosa gama de sons naturais – ou “nichos sonoros” - dos vários ecossistemas, em função da constante e intensa ação antrópica? De uma contínua interferência humana que envolve uma série de ações como o desmatamento, a poluição química e sonora, a industrialização excessiva e tantas outras práticas, desvinculadas de um reconhecimento da essência sagrada da vida, do respeito e cuidado que se deve dispensar a tudo que manifesta vida?

Recentemente foi divulgado um trabalho realizado pelo artista italiano Gabo Guzzo que trouxe evidências da extinção, no Planeta, de lugares isentos de interferências de sons gerados pela ação humana.

Na opinião de cientistas como o ecologista acústico Gordon Hempton, pesquisador da Bio-Acústica, uma ciência focada nos “nichos sonoros” ou “paisagens sonoras”, se não investir-se na redução da poluição sonora, brevemente não só os seres humanos, mas todos os animais da face da Terra serão fortemente atingidos.

A Mensagem em vídeo traz uma pequena síntese da importância dos sons vitais e “nichos sonoros” no desenvolvimento e manutenção de todas as formas de vida e de como estariam sendo afetados os vários ecossistemas, em função do desequilíbrio provocado pela intensa poluição sonora, através da contínua ação antrópica.

Facebook “Civilização Solar”
Bioharmonia, “Sons e Vida” e “A preservação das abelhas”

PAÍSES ANUNCIAM ALIANÇA GLOBAL PARA PRESERVAÇÃO DOS OCEANOS

Onda em postura Namastê

Países, empresas privadas, ONGs e outras instituições anunciaram neste sábado (16) na Rio+20 uma grande aliança global para a preservação dos oceanos. Ao todo, o documento tem 83 assinaturas. Muito mais do que resultados práticos, nesse primeiro momento as entidades querem pressionar os negociadores da Rio+20 a realmente definir um texto que proteja os oceanos do planeta.

Estimativas mostram que em todo mundo 1 bilhão de pessoas precisam da proteína extraída das águas para sobreviver. Em muitos lugares, por causa da pesca industrial excessiva, está faltando peixe nas redes. Problema enfrentado, inclusive, por vários pescadores brasileiros.

"É uma grande iniciativa [a da aliança pelos oceanos], que terá todo nosso apoio" afirma Rachel Kyte, vice-presidente para a rede de desenvolvimento sustentável do Banco Mundial.

A executiva participou ontem do Dia do Oceano, realizado dentro das atividades da Rio+20.

O Banco, de início, deverá investir US$ 1,2 bilhão em projetos que protejam e recuperem os oceanos. A declaração, que teve a assinatura de 13 nações, sem a participação do Brasil, foca as ações em três grupos. O de promover a pesca sustentável, de proteger os ambientes críticos, que estejam perdendo biodiversidade e reduzir a poluição marinha, cada vez maior no litoral do Brasil, por exemplo.

De acordo com as iniciativas apresentadas ontem no Rio de Janeiro, alguns países estão se organizando, independente das grandes alianças globais, para proteger as suas águas.

É o que ocorre, por exemplo, na região do Caribe. Países como Belize, República Dominicana e Panamá estão protegendo e vendendo suas lagostas em conjunto, para que todos possam ganhar ao mesmo tempo.

No caso específico do Brasil, de acordo com Flávio Bezerra da Silva, secretário de Planejamento e Ordenamento da Pesca, do ministério da Pesca, os problemas estão praticamente resolvidos.

"Os corais estão morrendo, mas isso não é culpa nossa. A poluição, na maioria das vezes, vem de fora".

Jornal Folha de São Paulo

ENTENDENDO A SABEDORIA DA NATUREZA NOSSO MAR PARTICULAR

Netuno

A sabedoria da Natureza sempre inspirou os homens em suas descobertas, e assim, podemos facilmente concluir que todas as grandes invenções, foram fruto da curiosidade e da mente inventiva de alguns iluminados que, observando a natureza de coisas da Natureza com a curiosidade de uma criança, conseguiram descobrir os meios para desenvolver seus inventos.

Foi observando os pássaros em suas evoluções que surgiu a idéia de que poderíamos também voar. E Ícaro foi o precursor dos jatos de hoje, assim como foi observando o castor a represar a água, que o homem descobriu que poderia usar a força da água em seu benefício. 

A calma da tartaruga nos ensina o segredo de uma longa vida, e que o espírito de organização das formigas ensina como viver em mundo global, com cada qual cuidando de sua parte. Devemos salientar que nem tudo é bem entendido, pois a história do galo mandar no galinheiro, foi mal assimilada pelos homens, provando que nem tudo é perfeito, principalmente quando algo que acontece não é totalmente entendido pelos ditos seres racionais.

É importante sabermos nos harmonizar com os elementos da Natureza, com a terra, o fogo, a água e o ar, pois sabemos que o desequilíbrio de um deles pode destruir todo o sistema. A Natureza tem seus meios de controle, e se o homem não souber usá-los pode por tudo a perder.

Uma das maiores forças da Natureza, senão a maior de todas, é a água, e é justamente ela que nos dá as maiores lições de vida, e que deveríamos muito bem assimilar. Vejamos como a água enfrenta os obstáculos que encontra em seu caminho, analisando o percurso de um rio. Em sua nascente, um fiozinho de água, que vai apenas correndo placidamente, saltando sobre pedras, pulando obstáculos, e não tem medo de dar grandes saltos para prosseguir em sua caminhada. Sabe aliar-se a outros que vão surgindo. Não se preocupa em saber quem é o mais forte, pois sabe que é a união que faz a força, e assim aproveita bem todo o seu poder, e se unifica ao encontrar qualquer porção semelhante.

Sabe receber mais água, seja vinda do céu ou das terras distantes. Não tem preconceito com este ou aquele tipo de água. Seja da chuva, seja de rios barrentos, seja de rios poluídos, as águas se encontram, e naturalmente se diluem, movimentando-se pela terra em perfeita harmonia, sendo capaz de se amoldar a qualquer ambiente, congelando-se para suportar o frio, ou mesmo gaseificando-se quando o calor for muito forte. É capaz de enfrentar e dominar o fogo.

E finalmente quando chega até o mar, não cria barreiras pela diferença “racial” existente. Apenas une-se ao mar, formando a grande massa líquida que domina o mundo. Já está mais que na hora de sermos como a água, assim aprendendo a grande lição que ela nos oferece, esquecendo preconceitos e diferenças raciais, sociais ou sejam quais forem as diferenças encontradas, pois somente com uma boa e sólida união poderemos realmente descobrir como bem viver, e sobreviver.

Precisamos aprender a deixar passar certas coisas, e ao invés de sempre querer provar que somos os melhores em alguma coisa, precisamos aprender a mudar de rumo e contornar obstáculos, com um bom jogo de cintura, sem permitir que nem o orgulho, nem tampouco o desespero e o desalento nos domine. Quando preciso for, adquirir a dureza de um iceberg, ou então saber subir ao céu para uma eventual purificação, e voltar como uma chuva benfazeja. O importante é aprender a grande lição, seguir em frente, até chegar ao grande objetivo da vida, até o nosso “mar particular”.

Obstáculos existem para serem transpostos. Tristezas que nos congelem a alma, poderão ser vencidas quando de novo o sol raiar, provocando seu degelo. Raiva que nos faça ferver, acaba se evaporando, e poderá voltar ao caminho antes trilhado. E além de tudo, sacia nossa sede, e realmente nos dá a vida.

Por vezes ela se excede e causa desgraças com suas enchentes? Basta buscar as reais causas, e veremos que algo feito pelo homem provocou essa tragédia.

Marcial Salaverry