domingo, 7 de maio de 2017

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS 07 05 2017

sábado, 6 de maio de 2017

ÁGUA EM POEIRA CÓSMICA SUGERE QUE VIDA É UNIVERSAL

NASA

Jogar um punhado de poeira de estrelas sobre um planeta pode ter um efeito tão mágico quanto parece. O efeito, por exemplo, de semear a vida no planeta.

Isso porque os grãos de poeira que flutuam através do nosso sistema solar contêm minúsculas bolsas de água, formadas quando os grãos de poeira são atingidos por rajadas de vento solar, que é carregado eletricamente.

A reação química que faz isso acontecer já tinha sido replicada em laboratório, mas esta é a primeira vez que foi encontrada água presa dentro de poeira estelar real.

Combinados com achados anteriores de compostos orgânicos em asteroides e em poeira interplanetária, os resultados sugerem estes grãos podem conter os ingredientes básicos necessários para o surgimento da vida.

Como grãos de poeira semelhantes devem existir em todos os sistemas planetários pelo universo, este é um bom indício da existência de vida em todo o cosmos.

De fato, os sistemas planetários estão cheios de poeira, resultante de muitos processos, incluindo o esfacelamento de cometas.

"As implicações são potencialmente enormes," disse Hope Ishii, da Universidade do Havaí, participante do estudo. "É uma possibilidade particularmente emocionante que este afluxo de poeira sobre as superfícies dos corpos dos sistemas planetários tenha funcionado como uma chuva contínua de pequenos reatores contendo tanto a água quanto os compostos orgânicos necessários para a eventual origem da vida."

A pesquisadora se baseia também em outros estudos de laboratório, que mostram que minúsculas gotas de água são reatores muito mais propícios às reações químicas do que a água em grandes quantidades, em lagos e rios, por exemplo.

Como água surge na poeira interestelar

O grupo de pesquisadores encontrou a água inspecionando a camada externa de partículas de poeira interplanetária coletadas na estratosfera da Terra.

Microscópios de última geração permitiram analisar grãos de poeira de 5 a 25 micrômetros de diâmetro, o que revelou inclusões fluidas, minúsculas bolsas de água presa logo abaixo da superfície da poeira interestelar.

O processo pelo qual a água pode se formar no interior desses grânulos minúsculos, por sua vez, parece ser bem compreendido.

A poeira é composta principalmente de silicatos, que contêm oxigênio. Conforme viaja através do espaço, ela recebe o impacto do vento solar, uma corrente de partículas carregadas eletricamente - incluindo íons de hidrogênio de alta energia - que é ejetada da atmosfera do Sol.

Quando os dois se chocam, hidrogênio e oxigênio combinam-se para formar água.

Como a poeira interplanetária deve "chover" sobre a Terra desde os seus primórdios, é possível que o material tenha trazido água para o nosso planeta, embora seja difícil conceber como esse processo poderia explicar os milhões de quilômetros cúbicos de água que cobrem a Terra hoje.

"De forma nenhuma sugerimos que isso tenha sido suficiente para formar oceanos," reconhece Ishii, bem mais realista do que colegas seus, que já falaram em "oceanos de água" em disco planetário.

De qualquer forma, pode ser uma bela irrigação de vida em um planeta com precondições propícias para a vida.

New Scientist

SISTEMA PURIFICA 2000 LITROS DE ÁGUA POR DIA COM ENERGIA SOLAR E AINDA GERA ELETRICIDADE


Moradores de continentes como África e Ásia têm dificuldades de encontrar água potável para consumo. Várias iniciativas procuram a melhor forma de promover qualidade de vida para esses países com menor custo benefício. Lembra do dispositivo de US$ 16 que purifica água potável por um ano para uma família inteira?

A novidade agora é da startup Tenkiv’s, que recentemente arrecadou US$ 50 mil, via financiamento coletivo, para aprimorar e produzir em larga escala um sistema capaz de purificar dois mil litros de água por dia com energia solar (e ainda produzir, armazenar  e converter energia para outros usos). 

Localizada na cidade de Sacramento, na Califórnia, o principal objetivo da companhia é democratizar o acesso à água potável e energia renovável.

O grande diferencial da invenção é que, em vez de focar na tecnologia fotovoltaica, ela usa o calor do sol para fazer tudo isso – é a chamada tecnologia térmica solar. De acordo com a empresa, o método custa aproximadamente 1/13 do que um painel solar e 1/5 do que qualquer fonte de combustível fóssil, o que torna a tecnologia viável e escalável. 

“Tenkiv Solar Collectors pode distribuir de forma simples e eficiente energia térmica colhida do sol. Seja para esquentar o banho ou fazer chá, não importa. A maior parte das invenções energéticas provém de sistemas complexos e ineficientes que requerem energia para transformar a energia”, explica o site. Será essa a solução para suprir a necessidade das quatro bilhões de pessoas que sofrem com a falta de água no mundo? Assista ao vídeo abaixo para conhecer melhor a tecnologia!

thegreenestpost.bol.uol.com.br/sistema-purifica-2-mil-litros-de-agua-por-dia-com-ene..

DESTILADOR MOVIDO A ENERGIA SOLAR TRANSFORMA ÁGUA POLUIDA OU SALGADA EM POTÁVEL


A startup SunDWater criou destilador, movido a energia solar, que transforma água poluída ou salgada em água potável. O conceito foi desenvolvido por Shimon Bem-Dor durante a seca que atingiu Israel em 2009. Hoje o protótipo está instalado próximo ao Mar Morto e é capaz de purificar 400 litros de água por dia.

O baixo custo de sua manutenção é crucial para viabilizar a produção em larga escala. Segundo o CEO da empresa, Shimmy Zimels, “cerca de 97% da água do mundo é salgada ou poluída”. Por isso, aproximadamente um bilhão de pessoas não têm acesso fácil ao recurso, que deveria ser direito básico garantido.

A água é puxada para dentro do dispositivo, que tem 43 metros quadrados e concentra os raios de sol para acelerar a evaporação. O vapor da água é  direcionado para um cilindro que a condensa e transforma em água fresca, como sua composição natural. A tecnologia é biomimética pura: o processo é o mesmo que acontece na natureza, a partir da chuva. “Nós apenas usamos a natureza para melhorar ainda mais seu processo”, explica Zimels.

 

SunDwaternew
The Greenest Post;

AQUECIMENTO GLOBAL A FARSA

Luiz Carlos Baldicero Molion é bacharel em física pela USP e doutor em meteorologia — e Proteção Ambiental, como campo secundário — pela Universidade de Wisconsin, Estados Unidos. Concluiu seu pós-doutorado no Instituto de Hidrologia, em Wallingford, Inglaterra, em 1982, na área de Hidrologia de Florestas. É associado do Wissenschaftskolleg zu Berlin (Instituto de Estudos Avançados de Berlim), Alemanha, onde trabalhou como pesquisador visitante de 1989 a 1990.

 Molion tem mais de 30 artigos publicados em revistas e livros estrangeiros e mais de 80 artigos em revistas nacionais e congressos, em particular sobre impactos do desmatamento da Amazônia no clima; climatologia e hidrologia da Amazônia; causas e previsibilidade das secas do Nordeste; mudanças climáticas globais e regionais; camada de ozônio e fontes de energias renováveis. Foi cientista-chefe nacional de dois experimentos com a NASA sobre a Amazônia. Aposentou-se do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCT), onde foi diretor de Ciências Espaciais e Atmosféricas, como Pesquisador Titular III. Entre 1990 e 1992, foi presidente da Fundação para Estudos Avançados no Trópico Úmido (UNITROP), Governo do Estado do Amazonas, em Manaus, onde desenvolveu pesquisas sobre desenvolvimento sustentado, em particular o biodiesel, combustível renovável feito de óleos de palmáceas nativas.

Atualmente, encontra-se na Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, como professor associado e diretor de seu Instituto de Ciências Atmosféricas (ICAT). Também desenvolve pesquisas nas áreas de dinâmica de clima, desenvolvimento regional, energias renováveis e dessalinização de água. É membro do Grupo Gestor da Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (MG/CCl/OMM), como representante da América do Sul. Entre suas áreas de conhecimento e interesse, destacam-se a variabilidade e mudanças climáticas, particularmente os climas da Amazônia e Nordeste, os impactos de mudanças climáticas no desenvolvimento e proteção ambiental. No que diz respeito a recursos hídricos: água no sistema solo-planta-atmosfera, evaporação e evapotranspiração, mudanças climáticas e água. Tratando-se de desenvolvimento sustentado e energias renováveis (eólica, solar e aproveitamento de resíduos vegetais): óleos vegetais e biodiesel como combustíveis renováveis, métodos e equipamentos para tratamento e dessalinização de águas salobras, do mar e servidas.

Saiba o que o Dr. Luiz Carlos diz sobre o aquecimento global no seminário Fenômenos Climatológicos e os Grandes Centros Urbanos em Alagoas.

Evolucionistas Quânticos no Facebook
https://www.facebook.com/evolucionist...

Evolucionistas Quânticos

DESCOBERTO NOVO ESTADO QUÂNTICO DA ÁGUA

 
Água e vida sempre combinaram, desde as mais antigas mitologias até as mais recentes descobertas científicas.

E essas qualidades capazes de sustentar a vida parecem estar fundamentadas em um conjunto de propriedades que tornam a água uma substância única.

São nada menos do que 66 "anomalias" conhecidas, propriedades únicas da água, não vistas em nenhum outro líquido.

Por exemplo, o fato de que a água em estado sólido é menos densa do que em estado líquido e que sua densidade máxima ocorre aos 4 °C significa que os lagos congelam de cima para baixo, algo que foi vital para sustentação da vida durante as eras do gelo na Terra.

Agora, George Reiter e seus colegas da Universidade de Houston, nos Estados Unidos, afirmam que essas qualidades estranhas, mas cruciais para a vida, podem ser explicadas em certa medida pela mecânica quântica.

O grupo concentrou sua atenção em uma das esquisitices da água - a sua ligação de hidrogênio. A ligação de hidrogênio é a ligação entre as moléculas de água, que conectam um átomo de oxigênio de uma molécula ao átomo de hidrogênio de outra molécula.

A teoria mais aceita é a de que a ligação de hidrogênio da água seja um fenômeno eletrostático, ou seja, a água consistiria de moléculas individuais que se ligam por meio de cargas positivas (no hidrogênio) e negativas (no oxigênio).

Este modelo explica algumas características da água, como a sua estrutura.

O que Reiter e seus colegas descobriram é que o modelo eletrostático não consegue prever as energias dos prótons individuais dentro das moléculas de água.

Eles fizeram medições extremamente sensíveis dos prótons em amostras muito pequenas de água - acondicionadas dentro de nanotubos de carbono de 1,6 nanômetro de diâmetro - e descobriram que esses prótons se comportam de forma muito diferente do que o fazem em amostras muito maiores.

A distribuição do momento dos prótons é fortemente dependente da temperatura, apresentando uma energia cinética 50% maior do que o previsto pelo modelo eletrostático em temperaturas baixas, e 20% maior a temperatura ambiente.

O modelo eletrostático dá previsões razoavelmente precisas apenas para a água em grande volume a temperatura ambiente.

Segundo os cientistas, isto é um indicativo de que os prótons existem em um estado quântico nunca antes observado - um estado que não é descrito pelo modelo eletrostático, com as ligações de hidrogênio formando o que é conhecido como "rede eletrônica conectada".

Segundo Reiter, esse novo estado quântico pode ser importante para a vida porque o comprimento dos nanotubos usados para confinar a água nos experimentos - cerca de 2 nanômetros - é mais ou menos semelhante às distâncias entre as estruturas no interior das células biológicas.

"Eu acho que a mecânica quântica dos prótons na água sempre exerceu um papel no desenvolvimento da vida celular, mas nós nunca havíamos notado isso antes," disse ele.

A descoberta também pode ter impactos tecnológicos, principalmente nas células a combustível. Nessas células, os fluidos têm de trafegar através de membranas ultrafinas, com poros nas dimensões estudadas neste experimento.

Um dos principais modelos de células a combustível em desenvolvimento é conhecida como PEM (Proton Exchange Membrane). Ou seja, a diferença de energia apresentada pelos prótons quando altamente confinados pode fazer a diferença no desempenho dessas células.

Esquisitices" da água começam a ser compreendidas

www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?...novo-estado-quantico...agua

ARTISTA USA ONDAS CEREBRAIS PARA MANIPULAR A ÁGUA


Que a mente tem poderes incríveis já todos sabíamos, a artista conceitual Lisa Park criou uma obra em que o movimento da água é manipulado a partir das suas ondas cerebrais. Eunoia, o grego de “belo pensamento”, é o nome desta incrível performance.

Para conseguir este resultado, a artista utiliza o dispositivo NeuroSky EEG, que ajuda a transformar a atividade do cérebro em fluxos de dados que podem ser manipulados para fins de pesquisa – neste caso, Park preferiu criar uma obra de arte, foram colocadas cinco caixas de som em baixo de tigelas com água, as quais vibram através da atividade cerebral da artista.

Como este sistema não funciona como ciência exata, a artista focou seus pensamentos durante um mês em pessoas específicas, com quem ela possui fortes relações emocionais. Park então relacionou cada uma das cinco caixas de som com uma certa emoção: tristeza, raiva, ódio, desejo e felicidade.

www.radiovivazen.com.br/blog/.../artista-usa-ondas-cerebrais-para-manipular-agua-2

ÁGUA PURA É AZUL E NÃO TRANSPARENTE

Um cientista da Universidade de Portland (Oregon, EUA), Enrico Uva, resolveu fazer um experimento para mostrar, de maneira simples e prática, que a água é azul, e não transparente. Quase todos pensam na água como transparente, ainda que seja possível observar tonalidades azuis na neve, em geleiras e em qualquer quantidade significativa de água.

Toda essa questão, segundo ele, se resume a como interpretamos a incidência da luz sobre a água. Acompanhe o experimento de Enrico: primeiro, ele pegou uma tigela média, usada em receitas, da cor branca. Ao encher um quarto da tigela, a água continuava parecendo transparente, exatamente como havia saído da torneira. Continuou enchendo, e aos três quartos já era perfeitamente visível enxergá-la em um tom azul pálido.

 O motivo, segundo ele, é a cor branca da tigela. O branco reflete, como se sabe, toda a luz que incide sobre ele. A opacidade de um objeto (que na água é nula) e a quantidade de luz são duas variáveis que influenciam na intensidade da cor. Quanto mais transparente o objeto for, mais ele permite que a luz incida e torne a cor refletida mais intensa, porque as moléculas internas vibram mais. No caso da água, uma tigela branca aguça praticamente ao máximo a vibração das moléculas, e com isso a água absorve o espectro de luz vermelho e mostra o máximo de seu azul natural (parte do espectro de luz vermelha é oposto ao da tonalidade azul, por isso a relação de absorção-reflexo).
 
Enrico afirma que alguém poderia argumentar que a água da torneira não é pura, já que vários fatores podem adicionar alguma coloração à água. Para refutar essa possibilidade, ele repetiu a mesma operação com água destilada, e o resultado foi o mesmo.
 
Existem métodos, conforme apurou o cientista, ainda mais eficazes para demonstrar que a água de fato é azul. Um deles consiste em colocar a água em um tubo comprido (3 metros de comprimento e 4 centímetros de largura) de alumínio, com um vidro tampando o recipiente, para evidenciar a coloração. Enrico conseguiu tal efeito, e a cor aparece claramente na fotografia que ele tirou.
 
Para modificar a cor intrínseca da água, conforme ele explica, seria necessário alterar suas moléculas. A primeira vez em que um cientista indicou a água como sendo de fato azul foi em 1983, mas ainda há atualmente pessoas que a consideram como sendo naturalmente sem cor.
 
Science2.0

SACHET P & G PURIFICA ÁGUA CONTAMINADA

Produto inovador capaz de purificar água contaminada chega ao Brasil
pra impactar a vida de milhões de pessoas
 
Muitas empresas têm se atentado aos problemas sociais e percebido que não podem ficar quietas com relação a eles. As empresas têm uma grande responsabilidade no desenvolvimento de soluções que possam sanar algumas dessas questões, muito mais que uma obrigação por lei.

Um grande exemplo é a gigante mundial P & G, que serve aproximadamente 5 bilhões de pessoas ao redor do mundo com suas marcas, e lançou na semana passada um produto social inovador e inédito no Brasil: o P & G Sachet.

Trata-se de uma tecnologia de baixo custo apresentada em um sachê de 4 gramas, que é capaz de transformar 10 litros de água contaminada em 10 litros de água potável, livre de resíduos sólidos e impurezas. O produto atende às normas da Organização Mundial de Saúde e tem validade de dois anos no Brasil. No primeiro ano do projeto no país, serão doados 1,8 milhão de sachês pela empresa, mas este número deve aumentar com a iniciativa do Walmart, que incentivará a doação de sachês pelos próprios consumidores.

Estima-se que cerca de um bilhão de pessoas sofram com a recorrente falta de água potável no mundo. No Brasil, 17,3% da população não recebe água por meio de rede de abastecimento (Fonte: SNIS 2012). A falta da água potável reflete diretamente o desenvolvimento de uma sociedade e, infelizmente, as crianças são as que mais sofrem com isso, o que faz do consumo de água contaminada uma das principais causas de morte entre bebês e crianças.

O P & G Sachet é um produto social que não será vendido e faz parte da principal ação de responsabilidade social da companhia, o programa Água Pura Para Crianças, que mundialmente já entregou mais de 7,8 bilhões de litros de água purificada.

No Brasil, o programa Água Pura Para Crianças será desenvolvido inicialmente no Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais carentes do Brasil, onde, em algumas localidades, pessoas sofrem diariamente com a falta da água potável. No primeiro ano do projeto no país, serão importados 1,8 milhão de sachês que serão utilizados no Vale do Jequitinhonha, por meio da parceria da P&G Brasil com a ONG Child Fund Brasil, que fará a distribuição e orientará as famílias locais e os multiplicadores sociais da região, para conscientizá-los da melhoria da qualidade de vida a partir do consumo de uma água de qualidade.

Para purificar a água, o conteúdo do sachê deve ser despejado em um recipiente com dez litros de água não potável. Depois é preciso mexer a mistura por cinco minutos e aguardar mais cinco para a sujeira decantar. Logo depois, a água deve ser passada por um filtro, que pode ser até mesmo uma simples camiseta de algodão limpa. Para finalizar, deve-se esperar por 20 minutos para que o bactericida do produto faça efeito e, em 30 minutos, uma água barrenta ou contaminada se transforma em água limpa para o consumo.


sábado, 28 de janeiro de 2017

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS 29 01 2017

ROSIE, A ROBÔ QUE DETECTA QUANDO DEPUTADOS USAM MAL O DINHEIRO PÚBLICO

Os astronautas da Nasa, na Estação Espacial Internacional, dizem que a capital do Brasil é inconfundível e impressionante vista lá do espaço. O formato de avião impressiona.

Um robô criado por um grupo de oito jovens para monitorar gastos públicos conseguiu descobrir, em apenas três meses, mais de 3.500 casos suspeitos envolvendo o uso da cota parlamentar por deputados federais desde 2011. Apelidada de Rosie – em referência a faxineira-robô do desenho Os Jetsons -, a ferramenta faz uma varredura nas milhares de notas fiscais emitidas pelos parlamentares para identificar se os gastos foram legítimos, ilegais ou superfaturados.

Rosie já encontrou, por exemplo, um pedido de reembolso de cervejas compradas por um deputado em um restaurante nos Estados Unidos, mesmo sendo proibido usar dinheiro público para comprar bebida alcoólica. Muitas anomalias foram encontradas também no valor das refeições. Ainda que as despesas sejam autorizadas unicamente para os parlamentares, a ferramenta detectou notas fiscais de dezenas de pizzas em um mesmo dia, um almoço de 12 kg em um self-service a até um pedido de reembolso de quase 1.500 reais em um restaurante que serve bode assado. Cruzando informações de bancos de dados públicos, como o da Câmara e o da Receita Federal, a ferramenta também identificou notas de refeições em cidades muito distantes em um curto espaço de tempo.

“Explicamos ao robô, a essa inteligência artificial, o que é um gasto e o que seria suspeito nele. Uma nota de 400 reais em uma padaria, por exemplo, é um valor muito alto e provavelmente ilegal. Mas, se for de um restaurante do chef Alex Atala, não é ilegal, ele é apenas alto e um absurdo para um gasto público”, diz o jornalista Pedro Vilanova, de 23 anos, um dos integrantes do grupo desenvolvedor do software, que defende que a Câmara imponha um limite para as despesas com alimentação dos parlamentares.

Após a varredura de Rosie, 849 casos foram auditados pelo grupo e destes, 629 foram denunciados à Câmara dos Deputados pelos jovens no próprio site do Legislativo no início do ano. As denúncias questionam, no total, cerca de 378.000 reais pagos com dinheiro público por 216 deputados. O projeto realizado pelo grupo recebeu o nome de Operação Serenata de Amor, em referência a um escândalo ocorrido nos anos 90 na Suécia, conhecido como “Caso Toblerone”, em que a então vice-ministra sueca perdeu o cargo por ter usado dinheiro público com gastos pessoais.

As descobertas de Rosie ainda não fizeram nenhum deputado perder o posto, mas já obrigaram alguns parlamentares a devolverem o dinheiro usado de forma irregular. “Em novembro, resolvemos testar o sistema e denunciamos 43 casos de irregularidade. Desses, já recebemos algumas respostas da Câmara e a decisão de nove devoluções”, conta Vilanova.

O primeiro caso de devolução após as denúncias do grupo foi do deputado federal Celso Maldaner (PMDB-SC) que teve que devolver 727,78 reais, referentes a 13 refeições feitas no mesmo dia e pagas com dinheiro público. Segundo a assessoria, o motorista do deputado cometeu um equívoco por ter colocado as notas no nome do político.

Uma devolução partiu também do deputado Odelmo Leão (PP -MG), eleito prefeito de Uberlândia.

Ele gastou 190,05 reais da cota parlamentar (ajuda de custo dada aos políticos que tem de ser justificadas com notas fiscais) com o envio de correspondência da sua campanha eleitoral à prefeitura. Após a denúncia, o deputado teve que pagar ao Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados o valor gasto de forma ilegal, já que não são permitidos gastos de caráter eleitoral com dinheiro público.
 
Outro deputado que já devolveu o valor de um reembolso pedido na cota parlamentar foi Vitor Lippi (PSDB- SP). O tucano pediu o reembolso de 135,15 reais correspondentes a cinco cervejas durante uma viagem aos Estados Unidos. Quando alertado da irregularidade, ele restituiu o valor à Câmara, e a assessora do deputado pediu desculpas em email enviado à Câmara. “Aproveito para assumir a responsabilidade pelo erro cometido, é de praxe dessa assessoria pedir a glosa de itens não autorizados de ressarcimento, tais como bebidas alcoólicas, mas infelizmente dessa vez não identifiquei o produto, já que estava em outra língua”, afirmou Sirlene Silva, assessora de Lippi, que lamentou ainda o transtorno causado.

O robô encontrou também uma fraude em uma série de três reembolsos do deputado Wherles Rocha (PSDB-AC) em um mesmo dia. Duas notas foram emitidas na capital do Acre, Rio Branco, e a outra, a 4.000 km, em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. Após a denúncia, o deputado afirmou que na data se encontrava na cidade gaúcha e que a nota do Acre referia-se a uma despesa feita na semana anterior. Ainda segundo o tucano, como estava com pressa em Rio Branco, ele pediu para pagar outro dia e por isso um assessor só conseguiu quitar a dívida no estabelecimento e emitir a nota quando ele estava no sul do país. Mesmo explicando a coincidência dos dias, a Câmara constatou que a Nota Fiscal já encontrava com prazo de validade expirado e por isso o deputado teve que devolver 148 reais.

No fim do ano, o deputado Marco Maia (PT-RS), também teve que devolver dinheiro à Câmara, já que no meio do ano passado emitiu uma nota de 154,50 reais pedindo o ressarcimento de duas refeições em um mesmo local, o que é proibido. Em dezembro, ele teve que restituir 77,25 reais referentes a um almoço adicional.

A primeira fase da Operação Serenata de Amor termina neste mês, mas o plano dos oito integrantes do grupo, que também contam com o apoio de cerca de 400 técnicos voluntários, é continuar passando um pente-fino nas contas do Governo. Para custear a investigação inicial das despesas da Cota de Atividade Parlamentar, eles recorreram a um financiamento coletivo e conseguiram arrecadar 80.000 reais. “Entregamos o que prometemos, entregamos a Rosie. Mas agora queremos aprimorar ainda mais o robô para que os dados sejam ainda mais precisos.

Vamos lançar um novo financiamento coletivo”, explica Vilanova. Para ele, a varredura de dados precisa alçar novos voos e não ficar presa apenas a cota parlamentar. “O programa e a operação podem ser replicado a outras esferas, como o Senado e empresas, por exemplo”, explica.

www.vejadetudo.com.br

ABELHA TIRA PREGO QUE ESTAVA CRAVADO NA PAREDE

A QUARTA DIMENSÃO E A DANÇA DAS ABELHAS


Um dos grandes interrogações filosóficas se refere justamente às características do espaço e do tempo. Ambos, conceitos desconcertantes.

Começando pelo espaço.
Muitos o denominam vazio. Porém rigorosamente o espaço pode ser vazio de matéria, porém existe como um ente pleno de partículas (denominadas partículas virtuais) que sustentam o vácuo, que seria aí outro nome dado para o espaço desprovido de matéria.

O difícil de digerir, pelo menos para mim, é concatenar que o espaço também foi criado, juntamente com o tempo.

No âmbito da relatividade geral pode-se concluir que espaço e tempo é uma entidade única.

Grosso modo, cada um de nós é constituído de um tipo de matéria ( a denominada matéria bariônica) que possui massa e ocupa lugar no espaço.

Se analisarmos um simples objeto, como uma caixa de sapatos, por exemplo, vamos observar que tal corpo ocupa um lugar no espaço tridimensional: possui largura, altura e comprimento – as três dimensões clássicas espaciais de todos os corpos materiais.

No entanto existe também uma quarta dimensão, que seria a sua célebre coordenada temporal (coisa que Einstein adorava ensinar).

Em outras palavras a caixa de sapatos apresenta uma duração.  Ela existe no espaço durante um determinado tempo.

Assim como corpos estelares apresentam uma duração (coordenada temporal) na ordem de milhões de anos,  existem subpartículas atômicas que tem sua coordenada temporal estimada na ordem microssegundos ( 0,000 001 segundo) e outras mais breves ainda.

Entre o microcosmo onde valem as regras quânticas e o macrocosmo onde predominam os eventos relativísticos existe nossa realidade cotidiana:

Bactérias que duram no máximo de um segundo.
Insetos que vivem toda a sua existência no máximo em um dia.

E por aí vai, até chegarmos a nós,  seres humanos,  que duram no máximo algo mais que um século (coisa pouca se comparado às sequoias, por exemplo, que se estima uma vida na ordem de milhares de anos).

Fazendo uma analogia.
Nos deslocamos pelo espaço variando nossas coordenadas espaciais, indo de um lugar para o outro com amplo grau de liberdade.

Podemos nos mover para o norte, para o sul, para o leste para o oeste, para cima e para baixo, sem nenhum inconveniente. O conjunto de pontos que cada um de nós ocupa no espaço, constrói uma trajetória.

No entanto, também nos deslocamos no tempo, caminhando pela quarta dimensão, variando nossa coordenada temporal, com apenas um grau de liberdade, indo do passado para o futuro, e sempre com a mesma velocidade  de um segundo por segundo. Que tédio.

Sem uma máquina do tempo, o nosso retorno ao passado, por enquanto, não pode se dar materialmente.  E nem mesmo um avanço rápido para o futuro pode ser sonhado.

Como consolo, podemos viajar ao passado psicologicamente, por meio de nossas recordações e socialmente através do armazenamento dessas versões dos fatos que denominamos carinhosamente de história.

Podemos viajar para o futuro com nossas aspirações e planejamentos, ou mesmo como os amparos estatísticos dos futurólogos.

Mas não é a mesma coisa.
Outras teorias surgem, algumas afirmam que existem muito mais dimensões espaciais do que  afirmam nossa vã filosofia (coisa que deixarei para abordar em outro artigo), porém, o que eu gostaria de abordar,  é esse insight termodinâmico:
“Todo o evento que tem um começo, também possui um fim”.

Como em hipergeometria vivemos num espaço daled: três dimensões espaciais e uma dimensão temporal – o tempo – é a quarta dimensão.

Nossa jornada na quarta dimensão, nesse deslocamento pelo tempo que se iniciou em nosso nascimento e terminará em nossa morte, também possui uma trajetória.

Algo como uma dança cósmica.
Ora, depois dos trabalhos de Von Frisch, sabe-se que as abelhas têm uma linguagem: desenham no espaço figuras matemáticas, valendo-se de seu voo, comunicando desta forma, a partir dessa “dança”,  entre si, as informações necessárias à vida da colmeia.

O questionamento que gostaria de compartilhar é se ao traçar a trajetória de cada existência humana, constituída pelo conjunto de ações, de gestos e de decisões, nessa intricada coreografia chamada vida,  teremos a felicidade das abelhas de dar a tudo isso algum proveitoso significado

Hypescience

AS ABELHAS CONSTROEM FAVOS HEXAGONAIS


As abelhas constróem as suas colmeias e, nelas, paredes de cera que é moldada para armazenar mel. A forma dos favos é bem conhecida: são incrivelmente bem aproximados por hexágonos regulares, ao longo  de filas e filas, que se juntam perfeitamente numa rede de favos perfeitamente situados. Porquê esta forma?

Usando ideias básicas de Geometria, é possível mostrar que as abelhas são mais inteligentes do que o que podemos imaginar. Elas simplesmente usam um resultado de Geometria Plana: a rede de figuras geométricas que cobre o maior espaço com a menor área é uma rede de hexágonos regulares!

A construção de alvéolos em colmeias é um processo fascinantemente simétrico e engenhoso. 

Relembra-te que um polígono regular de n lados é uma figura geométrica fechada, em que todos os segmentos de recta do seu perímetro têm o mesmo comprimento e que os ângulos formados por entre eles são \alpha = \frac{360^{\circ}}{n}. O triângulo equilátero, o quadrado, o pentágono regular, etc são os exemplos canónicos.
Os polígonos regulares para n=3,4,5,6,7,8,36. Repara que a figura tende a um círculo para n = \infty. 
Que tipo de polígono esperar? Uma argumento simples para uma pergunta difícil.

Se se pensar devidamente, é fácil encontrar uma condição que limite o tipo de polígono que pode ser a solução para o problema. Ou seja, mesmo não sabendo qual polígono é o mais eficiente, é possível saber rapidamente aqueles que podem ser.

Para saber qual a soma de todos os ângulos num polígono regular, soma-se simplesmente triângulos formados por todos os segmentos que podem ser desenhados de um vértice a todos os outros. 

Ângulo Interno
Primeiro, calculemos o ângulo interno \alpha em função do número de lados n.
Pensa no polígono regular de n lados e fixa um vértice. Podes sempre decompor a soma total dos ângulos internos desta maneira: do vértice que escolheste, liga-o a todos os outros vértices sobre a figura. Acabaste de criar n-2 triângulos, ligaste a todos os lados n menos a 2, que são aqueles que não resultam em triângulo algum: os vértices adjacentes ao que escolheste. É um facto que cada triângulo tem sempre soma interna de ângulos de 180 graus. Então o ângulo interno de um polígono regular é simplesmente a média da soma dos ângulos dos n-2 triângulos, S. 
Ou seja \alpha = \frac{S}{n} = \frac{180(n-2)}{n}.

Para um polígono regular com n lados iguais, qual é o seu ângulo interno \theta ? 
O argumento agora é facilmente exposto: quer-se que exista um polígono regular de N lados tal que a soma dos seus ângulos internos seja exactamente o máximo : 360^{\circ}. Sendo assim, temos que impor que N \alpha = 360. Então N(\frac{180(n-2)}{n} = 360. Daqui se retira que apenas certos polígonos podem conter o ângulo total nesse vértice, visto que N= \frac{2n}{n-2} tem de ser um número natural.

Repara que esta fórmula não funciona para n=1 (ponto) nem n=2 (segmento de recta). O truque agora : As soluções desta equação são fáceis e não muitas – n=3,4,6 – qualquer natural n>6 vai resultar em N não natural. O valor n=5 (pentágono) não é solução, pois N não é natural. A razão é facilmente explicada por um diagrama. Então sabemos que, a haver uma forma perfeita de cobrir o plano, ela terá de ser forçosamente um triângulo equilátero, um quadrado ou um hexágono regular.


Calculando Eficiência de Usabilidade de Área
Para saber qual é então o polígono mais eficiente, calculemos agora qual é a figura que consegue conter mais área com um círculo inscrito nela. A ideia é esta: para um círculo de raio r e para um polígono regular de lado a, que relação se pode construir entre a área do círculo A_{\circ} e a área do triângulo A_{\triangle}. Daí, constrói-se um coeficiente que dê a ideia de quão maior a área do polígono é em relação à área do círculo: \eta = \frac{A_{\circ}}{A_{\triangle}}. Assim, o menor valor encontrao de \eta dar-nos-á a solução desejada. Caso a caso:

Se N=3, a figura é um triângulo equilátero, de lado a, então usando Trigonometria, retira-se que sin(30) = \frac{R}{X} onde X é a hipotenusa do triângulo da figura. Então X=2R. Com isto em mente e usando o Teorema de Pitágoras, sabe-se que (2R)^{2} = (\frac{a}{2})^{2}+ R^{2}, o que implica que a= 2 \sqrt{3}R. Então a área do triângulo é simplesmente A_{\triangle} = 2 \frac{\frac{a}{2} 3R}{2} = 3 \sqrt{3} R^{2}. Assim, o coeficiente \eta = \frac{\pi R^{2}}{3 \sqrt{3} R^{2}} \approx 0.6045.
Para n=4, a figura é um quadrado. Então é-se facilmente calculado que R = \frac{a}{2}. Então A_{\square} = a^{2} = 4R^{2}. \eta é então \eta = \frac{\pi}{4} \approx 0.7854,
Para n=6, a figura é um hexágono regular. Usando Trigonometria no triângulo  formado na figura, estabelece-se que sin(30) = \frac{\frac{a}{2}}{X}, sendo X a hipotenusa. Daqui sai que X=a. Aplicando de novo o Teorema de Pitágoras, tem-se que R^{2} + (\frac{a}{2})^{2} = a^{2}, o que força que a = \frac{2}{\sqrt{3}}R. Então a área do hexágono A = 12 \frac{R \frac{a}{2}}{2}= 2 \sqrt{3} R^{2}. Então \eta = \frac{\pi}{2 \sqrt{3}} \approx 0.9069.

Em termos de área, o hexágono é o polígono que “menos espaço desperdiça” para conter um círculo.

Mais ainda, tanto a área como o perímetro da figura – que corresponde a uma medida de material de construção necessário – é minimizado. Repara que o perímetro do triângulo, quadrado e hexágono é respectivamente dado por 6 \sqrt{3} R, \ 8R, \ 4 \sqrt{3} R. De novo, o mínimo!

paralysisbyanalysis52.wordpress.com

SEGREDO DAS FORMAS DO FAVO DE MEL


A forma hexagonal perfeita das células do favo de mel – que se pensava ser uma façanha incrível dos insetos – agora foi explicada pela mecânica simples.

Os cientistas sempre estiveram maravilhados com a perfeição angular do favo de mel, mas nenhum foi capaz de descrever claramente como ele se forma. Engenheiros do Reino Unido e da China deram um passo a frente, mostrando que as células na verdade começam como círculos, moldados pela forma do corpo de uma abelha, e então o fluxo segue para o padrão hexagonal alguns segundos depois.

As pessoas sempre especularam como as abelhas formam esses favos de mel”, disse Bhushan Karihaloo, engenheiro da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, e coautor do estudo, citando Galileu Galilei e Johannes Kepler como dois dos luminares mistificados pelo problema. “Houve algumas explicações incríveis, algumas até um pouco bizarras. Algumas pessoas acreditavam que as abelhas tinham uma incrível capacidade de medir ângulos, mas na verdade é muito mais simples”.

Usando um favo de mel cultivado em um centro de pesquisa em Pequim, os pesquisadores foram capazes de afastar cuidadosamente as abelhas e fotografar as colmeias vazias segundos após a formação dos favos, proporcionando a primeira evidência clara de que as células começam naturalmente como círculos. Eles então observaram as abelhas no aquecimento da cera após a formação inicial da célula – um fenômeno identificado em estudos anteriores, mas nunca analisado ​​em detalhes – e descobriram que este é o passo fundamental no formação do hexágono para o favo de mel.

Ao aquecer as células, a cera se torna fundida e flui como lava. Depois disso, as paredes das células naturalmente entram em queda e assumem a forma de um hexágono, como bolhas adjacentes em um banho. Esta é fisicamente a maneira mais simples e estável para os cilindros se fundirem, explica Karihaloo.

A equipe ainda não sabe exatamente como funciona o aquecimento de cada célula, e explorou a mecânica de dois cenários plausíveis: um em que as abelhas concentram o calor só nos pontos das células se tocam (um total de seis pontos por célula), e outro em que as abelhas aquecem a célula inteira de uma vez.
“Minha impressão é de que a natureza tenta minimizar o gasto de energia e, a partir desse ponto de vista, eu acho que o primeiro cenário é o mais provável”, disse Karihaloo. “Mas, por outro lado, do ponto de vista das abelhas, elas podem apenas querer esquentar a célula toda”.

Construindo como abelhas
A equipe calculou a quantidade de tempo que cada cenário deve tomar, e descobriu que as células circulares devem transformar-se em hexágonos dentro de seis segundos se são aquecidas inteiramente, e dentro de 36 segundos se são apenas parcialmente aquecidas. Em seus trabalhos futuros, os pesquisadores esperam que essas limitações de tempo ajudem a avaliar qual o mecanismo que as abelhas usam.

Juergen Tautz, biólogo especialista em abelhas da Alemanha, que não estava envolvido no estudo, não acredita que as abelhas podem direcionar o calor em pontos específicos em uma célula, mas ainda considera este estudo valioso.

Este trabalho é muito importante no meu ponto de vista, porque não só nos dá um profundo conhecimento sobre os mecanismos que as abelhas conseguem construir células muito precisas, mas também a tecnologia que pode existir nisso”, conta Tautz.


A equipe espera que seus resultados possam permitir a criação um favo de mel artificial tão forte quanto o material natural, o que seria útil no reforço de uma variedade de materiais de construção e estruturais. 

LiveScience