domingo, 27 de maio de 2012

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS NESTE BLOG


- Banda aproxima judeus, muçulmanos e cristão rock ecumênico

- Cogumelo despolui contaminação por agrotóxico
- Consumo humano de água ... aumento dos níveis dos mares
- Garrafas P bikes recicláveis
- Judeus e muçulmanos Missão de Lideres
- Garrafas Pet ponte reciclável
- Neuromarketing truques para o consumidor gastar mais
- OngOrquestrando a Vida
- Plástico no Pacífico tem aumento de cem vezes
- Sistema de tratamento de água de baixo custo
- Site Ipoema Organizaçao Ecovilas e Meio Ambiente

quarta-feira, 23 de maio de 2012

NEUROMARKETING TRUQUES PARA O CONSUMIDOR GASTAR MAIS

Você entra no supermercado disposto a procurar apenas os produtos da sua lista, mas sai de lá com o carrinho abarrotado de compras. Culpar-se pelo descontrole nem sempre é justo. A responsabilidade pode ser do neuromarketing, uma técnica usada pelo comércio para fazer o consumidor gastar mais.

O neuromarketing é uma ciência que estuda as reações do cérebro diante de determinados estímulos.

O tamanho do carrinho de compras, por exemplo, costuma estar diretamente ligado à quantidade de produtos levados para casa. Dez produtos parecem muita coisa se estiverem dentro de um carrinho pequeno, mas, em um carrinho grande, a impressão é de que a quantidade é menor. O consumidor se sente estimulado a comprar mais.

Grandes lojas e supermercados também costumam ser projetados de forma que os consumidores sejam forçados a caminhar no sentido anti-horário. Andar nessa direção deixa o cliente mais à vontade, faz com que ele fique mais tempo na loja e gaste até 7% mais.

Essas são algumas das técnicas listadas pelo dinamarquês Martin Lindstrom em dois livros, "A Lógica do Consumo - Verdades e mentiras sobre por que compramos" e "Brandwashed – Truques que as empresas usam para manipular nossa mente e nos persuadir a comprar".

"Hoje sabemos que certas áreas do cérebro são responsáveis por determinados tipos de reações físicas e emocionais", diz Lindstrom em entrevista ao UOL.

Preço simplificado atrai atenção do consumidor
A maneira como os preços dos produtos são informados também tem influência na decisão do consumidor. "No caso dos preços, a simplificação é a melhor maneira de atrair a atenção do consumidor", diz o consultor Pedro Camargo, um dos pioneiros no estudo do neuromarketing no Brasil.

Uma forma de simplificar é tirar símbolos e letras do lado dos números. "Se você escreve R$ 39 ou 39 reais na placa de preço, o produto parecerá mais caro do que se escrever só 39", diz Camargo.

A psicanalista e consultora de educação financeira Márcia Tolotti cita outro truque relacionado aos preços: a criação do chamado "preço de referência".

Se a ideia de uma empresa é vender um produto que custa R$ 5, por exemplo, colocar no mercado outros dois itens da mesma categoria, um custando menos e outro mais do que R$ 5, pode ser interessante.

Diante das três opções, o consumidor tende a descartar o produto mais caro, por causa do preço, e também o mais barato, porque ele pode estar associado a uma qualidade menor. O item de R$ 5 parecerá, assim, a escolha mais razoável. "No fim, o consumidor só estará fazendo o que estava planejado para ele fazer", dia Márcia Tolotti.

Em seus livros, Martin Lindstrom chega a citar táticas invasivas que seriam usadas pelos marqueteiros para influenciar crianças antes mesmo de elas nascerem.

"Mulheres grávidas e seus bebês são afetados pelos estímulos aos quais são expostos durante a gravidez. Esses ‘sinais’ são absorvidos pela corrente sanguínea e deixam a criança com tendência a preferir determinados sons e gostos", diz Lindstrom.

Ele cita o exemplo de uma marca de cafés asiática que distribuiu, para mulheres grávidas, balas com o sabor da bebida. As crianças teriam começado a tomar café cedo e a preferir a marca que fez a campanha. O próprio Lindstrom, porém, reconhece que ainda faltam evidências científicas mais fortes que comprovem esse impacto nos bebês.

"Nem todo marketing é perverso. Ele também pode ajudar as pessoas a tomar as decisões certas", diz a psicanalista Márcia Tolotti. "Mas é mais difícil evitar uma compra diante de um bombardeio de estratégias. Por isso o consumidor precisa analisar muito por que está fazendo aquela compra."

Jornal UOL

BANDA APROXIMA JUDEUS CRISTÃOS E MUÇULMANOS USANDO O ROCK ECUMÊNICO


O grupo de heavy metal “Orphaned Land” tem misturado instrumentos tradicionais do rock com melodias e ritmos do Oriente Médio.

As letras tentam aproximar as religiões e são baseadas em trechos da Torá, do Novo Testamento e do Corão, apresentando uma “visão ecumênica de espiritualidade”.

Essa mistura tem sido tão bem aceita que, em 2010, o grupo chegou a ser capa de uma revista de rock iraniana e seus integrantes aparecem caracterizados representando as religiões judaica, cristã e islâmica.

Jornal Alef

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE BAIXO CUSTO

Avishai Katko e Maya Braun, alunos do Ensino Médio da Sharett High School, escola da cidade de Netanya (Israel), desenvolveu um sistema que usa a luz ultravioleta dos raios solares para desinfetar e limpar o abastecimento de água, tornando-a adequada para o consumo. O projeto foi apresentado no “Fórum Mundial da Água”, ocorrido na França, e ganhou o “Intel-Israel 15th Annual Young Scientists Competition”, realizado no Museu de Ciência Bloomfield de Jerusalém.

Segundo os jovens cientistas, o dispositivo poderia ser utilizado em qualquer casa, por qualquer pessoa. O sistema de tratamento de água portátil é modular, móvel e adequado para utilização em locais com escassez de água potável, que também possuam luz solar abundante durante a maior parte do ano. Atualmente a maioria da água de Israel é produzida por usinas de dessalinização. A estratégia é uma faca de dois gumes: as pessoas precisam de água, mas, eventualmente, o processo usado para separar o sal da água do mar poderá causar danos irreparáveis às fontes de água.

Se comercializado, o sistema desenvolvido por Katko e Braun permitirá aos proprietários das casas colher e tratar sua própria água. Diretrizes de segurança científicas acompanhariam o produto. Descentralizar o tratamento da água dará aos moradores uma maior autonomia e, sem dúvida, reduzirá as grandes tarifas de água. Em uma maior escala, e combinada com outra tecnologia israelense, que separa os sólidos da água - destinada as usinas de resíduos urbanos juntamente com uma série de outras técnicas de economia de água utilizadas em contextos agrícolas e industriais, o sistema de tratamento de água modular poderia transformar radicalmente como a água é usada no país

Cambici/GreenProphet

CONSUMO HUMANO DE ÁGUA É RESPONSÁVEL PELO AUMENTO DO NIVEL DOS MARES

O uso maciço de recursos hídricos em nosso planeta paradoxalmente tem sido responsável por grande parte da alta do nível dos oceanos constatado ao longo das últimas décadas, calcularam climatologistas em um estudo publicado no último domingo.

O nível médio dos mares do mundo aumentou, em média, 18 milímetros ao ano no período compreendido entre 1961 e 2003, segundo medições feitas ao longo da costa por marégrafos, instrumentos que registram o fluxo e refluxo das marés.

Os cientistas procuravam, depois de um longo tempo, determinar com precisão a proporção desta elevação que poderia ser atribuída ao aquecimento global. Em seu célebre relatório de 2007, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) tinha chegado a uma estimativa de alta de 1,1 mm neste período, sobretudo devido ao efeito da "dilatação térmica dos oceanos" - fenômeno que ocorre quando a água quente ocupa um volume maior do que a água fria - e do derretimento das geleiras e das calotas polares.

Restava, ainda, uma alta de 0,7 mm ao ano para elucidar, um mistério que levou muitos cientistas a se interrogarem sobre a validade de seus cálculos.

Em um estudo publicado na revista científica britânica Nature Geoscience, uma equipe chefiada por Yadu Pokhrei, da Universidade de Tóquio, calcula que esta alta inexplicável estaria ligada, essencialmente, à água extraída de lençóis freáticos e de lagos para consumo humano.

Certamente, a extração desta água se traduziu, inicialmente, por um recuo muito sutil do nível dos mares. Mas sendo consumida ou evaporada, a água retirada (e geralmente nunca reposta) acaba, na maioria dos casos, chegando ao limite do esgotamento, segundo estimativas de modelos informáticos.

"No total, o uso irracional da água subterrânea, sua captação nos reservatórios artificiais, o impacto das mudanças climáticas nas reservas terrestres de água e as perdas d'água em bacias fechadas (nr: lagos e mares interiores) contribuíram para uma elevação do nível do mar de 0,77 mm ao ano, em média, entre 1961 e 2003, respondendo a cerca de 42% da alta observada", avaliou o estudo.

No relatório de 2007 que constatou que as emissões de gases estufa originárias de atividades humanas são responsáveis pelo aquecimento global, o IPCC calculou que o nível dos oceanos aumentaria de 18 a 59 centímetros até o fim do século XXI, mas este cálculo não levou em conta o impacto potencial do derretimento do gelo, que poderia ameaçar certas cidades costeiras e deltas se a tendência atual de aquecimento se mantiver.

AFP

COGUMELO PODE AJUDAR A DEPOLUIR CONTAMINAÇÃO POR AGROTÓXICO


Empresas alemãs estão usando cogumelos, em caráter experimental, no combate à contaminação dos solos por agrotóxicos. Há três anos institutos de pesquisa da Alemanha vêm estudando o comportamento dos fungos em ambientes poluídos.

O agrônomo Frank Zadrazil, do Institut fuer Bodenbiologie --laboratório alemão que analisa solos--, descobriu recentemente que o cogumelo do tipo Plerotus ostratus, encontrado na mata atlântica, é capaz de "comer" agrotóxicos.

Para se alimentar, cogumelo lança no ambiente enzimas, em um processo de digestão externa, para decompor material orgânico. Da mesma forma, ele consegue quebrar as moléculas dos pesticidas, transformando-as em moléculas simples e inofensivas.

Na experiência, o agrônomo colocou pedaços do cogumelo em um tubo de ensaio

Jornal Folha de São Paulo

GARRAFAS PET BIKES RECICLÁVEIS

As garrafas PET são feitas de material reciclado e podem ser transformado em diversos utilitários depois de descartadas. A novidade agora são “bikes”!

Criado no Brasil, o projeto do artista plástico Juan Muzzi é resultado de anos de pesquisa e testes. O autor da idéia, já patenteada como a primeira bicicleta reciclável do mundo, conta que “a bicicleta é mais resistente, flexível e barata porque o plástico não enferruja e a fabricação transforma resíduos em um novo produto”.

São necessárias duas mil garrafas plásticas para a confecção de uma bicicleta, e a montagem leva nada menos que 2 minutos, veja o vídeo.

Juan está trabalhando agora em uma cadeira de rodas reciclável. Vamos aguardar pra conhecer outra criação genial do artista.

Gilberto Simon

PET GARRAFAS PONTE RECICLÁVEL

Uma ponte de 147 metros de extensão e construída quase inteiramente com garrafas PET (de plástico) mudou o cenário do Açude Velho, um dos principais cartões postais de Campina Grande (132 km de João Pessoa). Para construí-la foram necessárias 8.000 garrafas PET, arrecadadas por alunos de escolas públicas, por uma empresa de reciclagem de lixo e por catadores de lixo. O projeto foi uma iniciativa do Coletivo Mídias, grupo que realiza intervenções artísticas em espaços urbanos com o objetivo de resgatar a história local. Nesse caso, chamar a atenção da população para a necessidade de revitalização do Açude Velho.

Desde que foi inaugurada, no último dia 13, cerca de 300 pessoas atravessaram por ela diariamente, com supervisão do Corpo de Bombeiros. Ali não é permitida a passagem de crianças. Antes de ser aberta à visitação, a obra foi inspecionada pelo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura da Paraíba (Crea-PB).

Turistas e estudantes de várias escolas de Campina Grande já visitaram a ponte. No local, puderam conhecer um pouco da história do fundador da Casa de Caridade Jesus do Horto, Roldão Mangueira, líder religioso que acreditava no fim do mundo no dia 13 de maio de 1979. Integrantes do Coletivo Mídias fazem palestras e distribuem livrinhos de literatura de cordel contando a história de Roldão.

“Além de despertar a atenção para a importância da preservação, o projeto também tem o intuito de prestar uma homenagem a Roldão Mangueira e explicar ao povo de Campina um pouco de sua história”, afirmou o diretor teatral Nivaldo Rodrigues Filho, que participou ativamente do projeto junto com o artista plástico Jarrier Alves. Quem visita o Açude Velho é convidado a colaborar com o abaixo-assinado que pede a revitalização de suas águas, extremamente poluídas. O documento será entregue ao prefeito Veneziano Vital do Rego (PMDB).

A ponte será fechada neste domingo (20) e depois desmontada, mas o material empregado em sua construção não será descartado. “É importante lembrar que o projeto não termina nesse domingo”, disse Rodrigues. Todo o material será reutilizado. As garrafas PET, por exemplo, serão doadas aos catadores de material reciclável. “A intervenção tem forte apelo social, é uma proposta de vivência que queremos levar ao máximo de pessoas”, afirmou.

O Açude Velho recebe esgotos vindos de vários bairros de Campina Grande, e sua última limpeza, segundo os organizadores, foi realizada há mais de 40 anos. O projeto foi idealizado em 2007 e aprovado um ano depois. A concretização veio com o recebimento de R$ 40 mil, no ano passado, do Fundo de Incentivo à Cultura, do governo estadual.

Durante dois meses, sete pessoas trabalharam quase que initerruptamente na pré-montagem das peças em um atelier de Campina Grande. O artista plástico Jarrier Alves disse que a equipe não tinha horário para trabalhar. “Nesse período a dedicação foi total ao projeto. Trabalhamos nos finais de semana, feriado, madrugada, mas valeu a pena o esforço e o cansaço”, afirmou.

No atelier, atenção não faltou aos artistas, afinal, não se tratava de qualquer obra de arte. Após serem amarradas com fitas adesivas, as garrafas foram colocadas na estrutura feita de madeira e alumínio. Quando as peças enfim ficaram prontas, a equipe passou mais dois dias trabalhando na montagem da ponte sob as águas. “Essa foi a fase mais delicada do projeto, mas contamos com a inspeção do Corpo de Bombeiros e do Crea e, ao final, tudo deu certo”.

Jornal UOL

PLÁSTICO NO PACÍFICO TEM AUMENTO DE CEM VEZES

A massa de pequenos pedaços de plástico que emporcalha o oceano Pacífico aumentou cerca de cem vezes nos últimos 40 anos, revela um estudo do Instituto Oceanográfico Scripps (EUA).

A equipe da Califórnia não achou evidências diretas de que a poluição esteja causando problemas de saúde na vida marinha.

Mas os pequenos fragmentos de plástico, resultado da degradação do lixo descartado em boa parte do mundo, estão causando uma mudança ambiental inesperada: a multiplicação de um inseto marinho que precisa de plataformas flutuantes.

A descoberta está descrita em estudo na revista científica "Biology Letters". A equipe liderada por Mirian Goldstein achou elevada quantidade de ovos do inseto Halobates sericeus em cima dos fragmentos de plástico. A poluição "fez bem para a população deles", declarou Goldstein à rede britânica BBC.

Normalmente, os animais precisam usar outro tipo de apoio para se reproduzir, como penas de aves marinhas boiando na água.

A massa de plástico é reunida no mar por causa do chamado giro do Pacífico Norte, um sistema de circulação da água que cria uma zona de convergência nas vizinhanças do Havaí e da Califórnia, por exemplo.


Outros dados, também obtidos pelo Scripps, mostram que peixes estão ingerindo os fragmentos. Mas o principal problema talvez não seja esse, afirma Goldstein.

O norte do Pacífico, diferentemente de outras regiões oceânicas, não é naturalmente dominado por superfícies flutuantes, como certas algas do Atlântico.

Os pedaços de plástico alteraram isso, o que pode ter repercussões no conjunto de seres vivos que habitam a área, diz a pesquisadora.

Jornal O Estado de São Paulo

quinta-feira, 10 de maio de 2012

ONG ORQUESTRANDO A VIDA

Centenas de crianças choram a possibilidade de perder a oportunidade de um futuro digno por falta de interesse do poder público e de empresários na cidade de Campos dos Goytacazes, no interior do Rio de Janeiro, pois a ONG Orquestrando a Vida anunciou uma possível paralisação por falta de patrocínios para continuar o trabalho sociocultural desenvolvido pela entidade há 16 anos e que alcançou palcos como o Carnegie Hall em Nova York e é considerado o maior e melhor núcleo do célebre “El Sistema”.

A Orquestrando a Vida atende a 750 crianças carentes em 06 orquestras sinfônicas e 02 bandas, e com a paralisação estas crianças voltarão a atividades irregulares como trafico de drogas, assaltos, entre outros atos ilícitos, perdendo todo o trabalho desenvolvido pela ONG na transformação social e inserção no mercado de trabalho.

Os alunos, pais, professores e amigos da Orquestrando a Vida realizam no próximo dia 09 de maio às 17h um manifesto na praça principal da cidade de Campos (Praça São Salvador).

De: Naara Santos
Elena Publio está cadastrada em nossa Página no Facebook

www.orquestrandoavida.org

JUDEUS E MUÇULMANOS MISSÃO DE LIDERES FORTALECIMENTO DOS LAÇOS ENTRE ELES



O rabino Michel Schlesinger é um dos cinco líderes religiosos judaicos que estão participando da primeira Missão de Líderes Muçulmanos e Judeus da America Latina, Estados Unidos e Canadá. Realizado em Washington (DC), o evento é organizado pela Fundação de Entendimento Étnico (FFEU) e pela Sociedade Islâmica da América do Norte (ISNA) e tem como objetivo a aproximação entre judeus e muçulmanos e o fortalecimento dos laços entre eles. A agenda inclui reuniões com a secretária de estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, com membros judeus e muçulmanos do Congresso dos Estados Unidos, e com os embaixadores do Brasil e da Argentina.

Congregação Israelita Paulista

quarta-feira, 2 de maio de 2012

LÃ DE TERNO ITALIANO VAI CONTER VAZAMENTO DE PETRÓLEO


A lã utilizada nos elegantes ternos italianos vai ajudar a limpar o mar de manchas de óleo em caso de vazamentos de petróleo.

Os proprietários de uma tecelagem em Biella, na Itália, terra da grife Ermenegildo Zegna, desenvolveram um protótipo capaz de absorver óleo em grandes quantidades.

A ideia surgiu quando os donos acompanhavam as notícias de um vazamento no golfo do México.

Toda lã absorve óleo e repele água, características importantes em caso de vazamentos no mar.

A empresa criou apenas uma versão mais resistente do que a usada nos ternos de luxo, usando lã bruta, de fios bem grossos e sem o tratamento que a transforma em tecido para roupas.

De acordo com a Tecnomeccanica Biellese, o material é capaz de absorver dez vezes o seu peso em petróleo, e já há um primeiro cliente, uma petroleira do Kuait

O material é reutilizável. Espremendo-a, o óleo sai.

Para conter um vazamento do tamanho do que ocorreu no golfo do México, seriam necessárias 10 mil toneladas do novo tecido. 

Jornal Folha de São Paulo

HORA CORRETA PARA BEBER ÁGUA

Beber água na hora correta maximiza os cuidados no corpo humano?

2 copos depois de acordar, ativa os órgãos internos.
1 copo 30 minutos antes de comer, ajuda na digestão.
1 copo antes de tomar banho, abaixa a pressão sanguínea.
1 copo antes de ir dormir, evita ataques do coração.

Mary enviou esta  Mensagem

MICROAGULHAS DE TEIA DE ARANHA DÃO INJEÇÃO SEM DOR

Agulha de seda

Pesquisadores usaram a seda que as aranhas usam para fazer suas teias para criar um novo sistema de microagulhas que injeta medicamentos sem dor.

Além do maior conforto, as microagulhas de seda podem liberar quantidades precisas de medicamento de forma controlada ao longo do tempo, e sem exigir refrigeração.

Como o processo de fabricação sem dá a temperatura ambiente e em água, os compostos bioquímicos mais sensíveis podem ser incorporados em seu interior.

As agulhas de seda são biocompatíveis e biodegradáveis.

Aplicação controlada de medicamentos
Os pesquisadores da Universidade de Tufts (EUA) demonstraram com sucesso a capacidade das microagulhas de seda para aplicar uma molécula grande, modelo das drogas enzimáticas, chamada HRP (do inglês horseradish peroxidase), a taxas controladas, mantendo a bioatividade da molécula.

Além disso, as microagulhas de seda carregadas com tetraciclina inibiram o crescimento da bactéria Staphylococcus aureus, demonstrando o potencial das microagulhas para prevenir infecções locais.

"Ajustando as condições de pós-processamento da proteína de seda, e variando o tempo de secagem da proteína, fomos capazes de controlar com precisão a liberação da droga em experimentos de laboratório," disse Fiorenzo Omenetto, um dos inventores das microagulhas.

"O novo sistema resolve desafios de longa data para a aplicação de medicamentos, e acreditamos que a tecnologia poderá também ser usada em outras aplicações de armazenamento biológico," afirmou.

Injeção sem dor
Embora alguns medicamentos possam ser engolidos, muitos não sobrevivem à passagem pelo trato gastrointestinal, precisando ser aplicados por meio de injeções.

Sendo muito pequenas, as microagulhas não atingem a terminações nervosas da pele, o que elimina a dor das injeções tradicionais.

Diário da Saúde

CARPAÇA DE ESCORPIÃO INSPIRA ESCUDO BIÔNICO PARA MÁQUINAS


Inspirando-se no "escudo biônico" natural que o animal usa para se proteger contra as tempestades de areia do deserto, os cientistas desenvolveram uma nova forma de proteger máquinas e motores do desgaste.

Han e seus colegas explicam que a "erosão por partículas sólidas" é uma das principais causas de danos materiais e das falhas em equipamentos mecânicos, de simples canos e engrenagens a turbinas eólicas e bocais de foguetes.

Em alguns casos, filtros podem ajudar a remover as partículas, como nos motores de carros, mas ter superfícies mais resistentes à erosão pode ser uma opção mais simples e mais econômica na maioria dos casos.

E o escorpião do deserto parece ser especialista nisto, já que ele possui uma carapaça que evoluiu para permitir que ele sobreviva ao poder abrasivo das tempestades de areia.

Resistência à abrasão
Embora a carapaça do escorpião seja feita de um material duro, isso não é capaz de explicar toda a sua resistência à abrasão.

Os cientistas usaram então um scanner a laser 3D para fazer um mapa de alta precisão da superfície da carapaça do escorpião, que é cheia de microtexturas.

A seguir, eles fizeram uma simulação em computador para ver como a areia impacta sobre as diversas ranhuras da carapaça.

De posse desses dados iniciais, a equipe desenvolveu diversas variações da estrutura rugosa do animal, e partiu para os testes práticos, com várias intensidades de impacto de partículas.

"Os resultados mostraram que superfícies microtexturizadas apresentam melhor resistência à abrasão do que as superfícies lisas," escreveu o grupo.

Os pesquisadores concluíram que uma série de pequenos sulcos em um ângulo de 30 graus em relação ao fluxo de partículas dá a superfícies de aço a melhor proteção contra a erosão.

Site Tecnologia Ecológica

REFRIGERADOR NATURAL DE ARGILA AREIA E ÁGUA

Mohammed Bah Abba, um professor nigeriano advindo de uma família dedicada à cerâmica, bolou o Pot in pot (vaso dentro do vaso), um refrigerador natural que usa apenas argila, areia e água para obter resultados semelhantes ao de uma geladeira moderna. O sistema além de barato é facílimo de construir.

Como diz o nome, os dois elementos principais do Pot in pot são dois grandes vasos de argila de tamanhos diferentes. Um deve caber dentro outro e ainda permitir que uma camada de areia se interponha entre os dois. Feito isso é só molhar periodicamente a areia – em média duas vezes por dia. A evaporação da água rouba calor do vaso de dentro, onde frutas e verduras armazenadas se conservarão fresquinhas.

Um sistema típico pode custar apenas 2 dólares (preços locais) e conter até 12 kg de vegetais. Dentro dele, tomates e goiabas duram 20 dias contra 2 dias se deixados sem refrigeração. O ganho depende de cada verdura, mas é sempre um múltiplo do normal. Só existe um pré-requisito: o clima pode ser quente, mas deve ser seco para facilitar a evaporação. Sobre a utilização do método no Sudão, conta o site Science in Africa (Ciência na África):

No calor de Darfur, Hawa costumava perder metade da colheita que tentava vender diariamente no mercado de Al Fashir, a capital de Darfur do Norte, pois lhe faltava armazenamento adequado – não há eletricidade ou geladeiras – na sua pequena cantina (…). Mas agora ela vende produtos mais frescos e aumentou seus lucros. Desde que começou usar o sistema Pot in pot.

A ideia já tem alguns anos e rendeu a Mohammed Bah Abba os 75 mil dólares do prêmio Rolex de empreendedorismo 2000. Foi também considerada uma das invenções do ano pela revista Time em 2001. O invento mudou a vida de famílias pobres da África rural, mas pode ser usado por qualquer um que queira poupar um pouco de energia aproveitando as forças mais básicas da natureza.

Fonte: ecocidades

terça-feira, 1 de maio de 2012

SACOLAS PLÁSTICAS PODEM SER RECICLADAS EM FIBRAS DE CARBONO

O polietileno usado em sacolas plásticas pode ser reaproveitado para a produção de um material muito mais valioso do que o próprio material original:
fibras de carbono.

As fibras de carbono estão entre os materiais mais "high-tech" da atualidade, presentes em carros de corrida, equipamentos esportivos, aviões e sondas espaciais.

As sacolas plásticas, por outro lado, estão sendo banidas porque não são recicladas adequadamente, ainda que não exista ainda um substituto ambientalmente vantajoso.

Amit Naskar e seus colegas do Laboratório Oak Ridge, nos Estados Unidos, desenvolveram um processo que não apenas permite a utilização do polietileno para a fabricação de fibras de carbono, como também possibilita ajustar o produto final para aplicações específicas.

"Acreditamos que nossos resultados trarão para a indústria uma técnica flexível para fabricar fibras tecnologicamente inovadoras em inúmeras configurações, de aglomerados de fibras a não-tecidos de fibra de carbono," disse Naskar.

O novo processo, que está em processo de patenteamento, é descrito como uma "combinação de tecelagem multicomponente de fibras com uma técnica de sulfonação".

O produto final pode ter seu contorno superficial, assim como o diâmetro de cada filamento, ajustado com precisão durante o processo de fabricação - a precisão dessa manipulação alcança a escala dos nanômetros.

Outra possibilidade é a fabricação de materiais porosos, adequados para filtragem, catálise e colheita eletroquímica de energia.

"Nós mergulhamos o aglomerado de fibras em um ácido contendo um banho químico, onde ele reage e forma uma fibra negra que não irá se fundir novamente. É essa reação de sulfonação que transforma as fibras do plástico em uma forma não fundível," explica Naskar.

"Neste ponto, as moléculas plásticas se ligam, e não irão fundir ou fluir com novo aquecimento. A temperaturas muito altas, essa fibra retém a maior parte do carbono, enquanto a maior parte dos outros componentes volatiliza em diferentes compostos ou gases," complementa.

Ao falar sobre as aplicações possíveis do material reciclado, o pesquisador é lacônico: "as possibilidades são virtualmente ilimitadas".

Site Inovação Tecnológica