domingo, 17 de março de 2013

COMPOSTO DE PRÓPOLIS PODE INIBIR RADICAIS LIVRES LIGADOS À OBESIDADE


O CAPE, substância extraída da própolis e testada em pesquisa da Escola de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP em Piracicaba (SP), apresenta potencial antioxidante.

Isolado da própolis produzida pelas abelhas, o CAPE é um composto fenólico que possui várias atividades biológicas, como por exemplo o efeito anti-inflamatório e antimicrobiano. A sigla vem do inglês Caffeic Acid Phenethyl Ester.

Os resultados, obtidos pela pesquisadora Aline Camila Caetano em experimentos com camundongos, revelam que o CAPE pode combater a formação de radicais livres associados à obesidade e a doenças como diabetes tipo 2 e a hipertensão.

"O estudo verificou a propriedade antioxidante em modelo experimental de obesidade e estresse oxidativo em camundongos", conta a pesquisadora, formada em Ciências dos Alimentos.

Durante a pesquisa, grupos de camundongos tiveram obesidade induzida por uma dieta à base de gordura de porco, por um período de 8 semanas.

Em seguida, parte deles recebeu o CAPE por via oral, nas dosagens de 13 e 30 miligramas (mg) por quilo de peso, em período de 15 e 22 dias.

Depois desse período, foi verificada a atividade de enzimas associadas ao estresse oxidativo nos tecidos adiposo e hepático.

Nos camundongos que receberam a dosagem de 13 mg, verificou-se no tecido hepático que as enzimas tiveram um comportamento semelhante ao grupo controle, composto por animais não submetidos ao estresse oxidativo gerado pela obesidade.

"Não houve aumento da atividade das enzimas, o que evidencia um possível efeito antioxidante do CAPE", destaca Aline. "Também foi registrado uma redução da produção de peróxido de hidrogênio e da peroxidação lipídica, outro indício do efeito protetor do composto."

De acordo com Aline, a obesidade, devido ao maior consumo de nutrientes na dieta, leva a um aumento da glicose e de ácidos graxos circulantes no organismo, aumentando a produção de Espécies Reativas de Oxigênio (ERO) e radicais livres.

"Essas espécies estão associadas a doenças como resistência à insulina, diabetes tipo 2, esteatose hepática, hipertensão e risco de problemas cardiovasculares", ressalta. "O processo é conhecido como síndrome plurimetábolica."

O fígado, por ser um órgão com alta taxa metabólica, permitiu que o efeito antioxidante do CAPE estivesse mais presente e pudesse ser mais facilmente observado. No tecido adiposo, foram observadas poucas mudanças na atividade das enzimas, inclusive devido a dificuldade em se fazer análises na gordura dos animais", diz Aline.

A pesquisadora aponta que devido ao peso dos camundongos, a dosagem testada é muito pequena, o que leva a necessidade de novos experimentos com animais antes da utilização do CAPE ser tentada em seres humanos. "É um processo que deve levar alguns anos", observa. "Também será preciso estudar de que forma o composto seria administrado em humanos."

Agência USP

Nenhum comentário:

Postar um comentário