segunda-feira, 6 de junho de 2011

PLANTAS DÃO ALERTA DE VAZAMENTO EM OLEODUTOS

Plantas dão alerta de vazamento em oleodutos
Detectar um grande vazamento de um oleoduto é fácil.

Bem mais difícil é detectar um minúsculo vazamento gotejante.

No entanto, ambos podem produzir danos semelhantes - um grande vazamento que dure poucas horas pode até mesmo jogar no meio ambiente menos óleo do que um pequeno vazamento que dure meses.

Contudo, os sistemas de monitoramento utilizados para a detecção de vazamentos nos oleodutos que transportam petróleo e derivados não permitem identificar perdas pequenas e progressivas.

A localização dos pequenos vazamentos é feita normalmente através de inspeção visual, uma técnica precária não só por causa da localização das redes, mas principalmente devido à dificuldade de enxergar o vazamento.

A demora nos diagnósticos, além de levar à degradação do meio ambiente, cuja recuperação se revela custosa e muitas vezes demorada, pode gerar problemas sérios de saúde nas populações atingidas.

Luz refletida pelas plantas
Com este problema em mente, a bióloga Giuliana Quitério, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), verificou que é possível detectar os pequenos vazamentos medindo a luz refletida pelas plantas nas proximidades dos dutos. A técnica, chamada de geobotânica, detecta anomalias ocorridas no sistema solo-planta.

Giuliana comparou a variação espectral da refletância nas porções visível e infravermelho do espectro eletromagnético entre plantas sadias e plantas que se desenvolvem em solos contaminados por vazamentos de gasolina e diesel.

Além disso, por meio da identificação de alterações na composição bioquímica dos vegetais, a pesquisadora mostrou que as modificações das feições espectrais da luz refletida pelas plantas em determinados comprimentos de onda estão relacionadas a alterações fisiológicas decorrentes da contaminação do solo.

A técnica abre a possibilidade de estudos mais amplos, que permitirão a utilização de sensores em aviões ou helicópteros para o monitoramento das linhas de tubulação. Os avanços tecnológicos permitem vislumbrar ainda a possibilidade futura de utilizar o sistema em satélites.

Vazamentos de derivados de petróleo
A pesquisadora lembra que os hidrocarbonetos contidos no petróleo e derivados, além de causar impactos ambientais de reversão demorada, podem acarretar prejuízos humanos a longo prazo.

Por isso, a detecção precoce dos vazamentos de pequeno porte torna-se imperativa com vistas à minimização do risco de acidentes humanos e danos ambientais que podem ocorrer despercebidos ao longo de meses ou até anos.

O abastecimento de petróleo e derivados através de dutos interliga campos de produção, estações intermediárias e coletoras, terminais e centros de distribuição. No Brasil, são onze mil quilômetros de dutos, distribuídos por 26 linhas, que se concentram principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Por eles fluem petróleo, cerca de trinta tipos de hidrocarbonetos, com destaque para as misturas que compõem a gasolina e o óleo diesel. A rede atravessa regiões habitadas e locais de elevada sensibilidade ambiental, como manguezais, fontes de abastecimento de água potável, mananciais e outras áreas de proteção ambiental.

Mesmo implantados por meio de projetos que levam em consideração as variáveis ambientais a que serão expostos, os dutos podem ter sua integridade comprometida, principalmente por variações drásticas de pressão e temperatura, e virem a apresentar pequenos vazamentos imperceptíveis aos equipamentos de monitoramento.

O problema é agravado no País pelo fato de que boa parte da rede, instalada a partir de 1942 e expandida nos anos 50, ainda permanece ativa, o que a torna mais vulnerável.

Embora as tecnologias atualmente empregadas possibilitem o monitoramento contínuo de grandes vazamentos, as atenuações que o sinal do vazamento sofre ao longo do duto tornam esses sistemas de monitoramento, que utilizam a detecção da queda de pressão e vazão, ineficientes nos casos de pequenas ocorrências.

Jornal da Unicamp

Nenhum comentário:

Postar um comentário